Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.521,88
    +288,12 (+0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Presidente da Tunísia suspende Parlamento e destitui primeiro-ministro

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma forte escalada nas tensões políticas na Tunísia, o presidente do país árabe, Kais Saied, suspendeu as atividades do Parlamento e destituiu o primeiro-ministro neste domingo (25).

O gesto foi classificado de golpista pelo chefe do Parlamento, Rached Ghannouchi, por atentar contra a revolução e a Constituição promulgada em 2014.

Saied declarou que irá assumir o mais alto cargo do Executivo com a assistência de um novo primeiro-ministro, em um desafio à carta constitucional, que estabelece a divisão de poderes entre presidente, primeiro-ministro e Parlamento. Na Tunísia, a autoridade do presidente se limita às relações exteriores e à área militar.

Em nota à imprensa, o presidente afirma que "muitos foram enganados pela hipocrisia, traição e roubo dos direitos do povo". Saied também alertou que os militares do país irão responder a qualquer reação armada às suas decisões também com armas. "Se alguém atirar, as Forças Armadas irão atirar de volta", afirma.

Nas últimas semanas, o país registrou uma série de protestos contra o primeiro-ministro Hichem Mechichi (agora destituído) e Ghannouchi, ambos filiados ao Enahda, partido moderado islâmico que tem maioria no Parlamento tunisiano.

Durante os protestos, as sedes do Enahda nas cidades de Sfax, Monastir, El Kef e Sousse foram invadidas por manifestantes.

As manifestações são reflexo da atual gestão da pandemia da Covid-19, bem como das contínuas crises econômicas sofridas pelo país desde a Primavera Árabe, em 2011, quando uma onda de protestos levou à queda do então ditador, Zine el-Abidine Ben Ali, e à mudança de regime para uma democracia.

Cada vez mais insatisfeitos com o índice de desemprego e a precariedade dos serviços públicos, os tunisianos voltaram às ruas dez anos após a revolução para pedirem a dissolução do Parlamento e a renúncia do primeiro-ministro, o que evidencia que a democracia está sendo questionada no país.

Além de acusar o presidente Saied de tentar um golpe, Ghannouchi, também líder do Enahda, afirma que as instituições continuam funcionando no país e que "apoiadores do Enahda e do povo tunisiano continuarão defendendo a revolução [de 2011]."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos