Mercado fechará em 4 hs
  • BOVESPA

    121.271,49
    +565,59 (+0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.248,29
    +418,98 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,09
    +1,27 (+1,99%)
     
  • OURO

    1.840,20
    +16,20 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    51.222,20
    +1.575,73 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,54
    +72,98 (+5,37%)
     
  • S&P500

    4.162,69
    +50,19 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.290,32
    +268,87 (+0,79%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.340,75
    +240,50 (+1,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3829
    -0,0296 (-0,46%)
     

Presidente da Somália assina polêmica lei que prolonga seu mandato por dois anos

·1 minuto de leitura
O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed

O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, conhecido como "Farmajo", assinou uma polêmica lei que prolonga por dois anos seu mandato que expirou em fevereiro, uma decisão que agrava a crise política deste país muito afetado pela violência.

O chefe de Estado somali "promulgou a resolução especial que guia as eleições do país, após sua adoção de maneira unânime pelo Parlamento" na segunda-feira, anunciou a Rádio Mogadíscio.

A comunidade internacional, com Estados Unidos à frente, advertiu contra a resolução, que considera uma ameaça para o frágil equilíbrio político do país.

O presidente do Senado somali também considerou inconstitucional o texto votado pela Câmara dos Deputados e que foi promulgado sem passar pela Câmara Alta, como prevê o processo legislativo.

A nova lei prevê a organização de eleições até 2023, mas a celebração da primeira votação completamente democrática por sufrágio universal direto desde 1969 esbarra em várias divergências políticas e, sobretudo, questões de segurança.

A Somália não cumpriu o prazo para celebrar eleições até 8 de fevereiro, data em que o presidente Farmajo deveria abandonar o poder.

Uma coalizão opositora considera que o presidente é ilegítimo e pede sua renúncia. Várias tentativas de negociação entre as partes fracassaram.

A Somália não tem um governo central eficaz desde a queda do regime militar de Siad Barre em 1991, que provocou décadas de guerra civil e insurreição islamita.

str-fb/sva/fal/mar/zm/fp