Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    59.051,09
    +1.913,64 (+3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Presidente da Raia Drogasil: “não há vacina disponível para o setor privado”

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Vacina da COVID-19. (Foto: Ben Hasty/MediaNews Group/Reading Eagle via Getty Images)
Vacina da COVID-19. (Foto: Ben Hasty/MediaNews Group/Reading Eagle via Getty Images)
  • Presidente da Raia Drogasil considera lento o ritmo de vacinação no país.

  • Ele diz que faltou cooperação e senso de urgência.

  • Marcilio Pousada afirma que é cedo para o setor privado entrar na campanha de vacinação.

O presidente da Raia Drogasil, a maior rede de farmácias do país, com 2,4 mil lojas, falou em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo sobre a situação da vacinação contra a COVID-19 pelo setor privado no Brasil.

Leia também:

Segundo Marcilio Pousada, ainda é cedo para se considerar essa possibilidade, mesmo porque, segundo Pousada, as empresas farmacêuticas que estão produzindo vacinas atualmente não têm estoque para vender para o setor privado, e têm dado prioridade para os governos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Ritmo lento

Pousada acredita que esse assunto deva ficar apenas para o segundo semestre de 2021, quando a expectativa é de que todos os grupos prioritários já estejam vacinados no Brasil.

O executivo destaca ainda um outro problema que poderia ocorrer caso o setor privado entrasse na disputa por doses: a inflação no preço das vacinas.

Pousada criticou, durante a entrevista, o ritmo lento da vacinação no Brasil. Ele considera que faltou, em suas palavras, “cooperação e senso de urgência”. “Deveríamos ter sido mais diligentes“, disse.

“Com a vacina, a economia anda - nisso concordo com o ministro da Economia.”

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube