Mercado abrirá em 9 h 33 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,97
    -0,16 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.778,90
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    56.951,54
    -2.760,07 (-4,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.295,13
    -96,58 (-6,94%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.233,70
    +263,99 (+0,91%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.050,75
    +21,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6788
    -0,0073 (-0,11%)
     

Presidente da Petrobras veste camisa "Mind the gap" e manda recado na última call com investidores

Bruno Rosa
·2 minuto de leitura

RIO — O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse em conferência com analistas na manhã desta quinta-feira, que a Petrobras de hoje é melhor do que a de um ano atrás e que os preços dos combustíveis estão abaixo da média global.

Vestindo uma blusa com os dizeres "Mind the gap", o executivo destacou a importância dos preços dos combutíveis terem "preços de mercado". Um claro recado ao presidente Jair Bolsonaro, que, insatisfeito com os recentes reajustes, anunciou a troca de comando da companhia.

A frase "Mind the gap" vem sendo repetida por Castello Branco em apresentações ao longo dos últimos dois anos. Ontem, a estatal apresentou lucro líquido recorde de R$ 59,9 bilhões no quatro trimestre de 2020, com uma política de preços que segue a paridade internacional.

Para Castello Branco, é surpreendente que em pleno século XXI, o país esteja discutindo os preços dos combustíveis. Segundo ele, o petróleo é uma commodity como outros produtos, que são cotados em dólar e seguem a lei de oferta e demanda global.

- Fugir da regra da paridade de preço de importação, a Petrorbas já provou que foi desastrasosa. A Petrobras perdeu US$ 40 bilhões. E tem outro impacto. Reduzimos a dívida em US$ 36 bi em dois anos e a empresa ainda é muito endividada. Devemos US$ 75,5 bilhões. Nossa dívida é majoritariamente em dólares e como você vai conciliar obrigações em dólares com receita em reais? Outro efeito perverso do descolamento da paridade dos preços de importação - dissse ele.

Castello Branco frisou que a média dos preços do Brasil estão abaixo dos preços globais, embora alguns impostos aqui sejam altos, pressionando os valores para cima

.- O preço não é barato nem caro. O preço é o preço de mercado. Se o Brasil quiser ser uma economia de mercado tem que ter preço de mercado. Preços abaixo do mercado geram muitas consequências, algumas previsíveis outras imprevisíveis, mas todas negativas - disse ele