Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.649,98
    +998,35 (+3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Presidente da Nicarágua desdenha pressão global em discurso raro

·2 minuto de leitura
Homem passa em frente a mural com imagem do presidente Daniel Ortega, em Manágua

MANÁGUA (Reuters) - O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, disse na quarta-feira que sanções não deterão seu governo e prometeu não libertar adversários políticos detidos acusados de crimes, enquanto cresce a pressão internacional pelo fim da repressão antes da eleição de novembro.

O governo de Ortega prendeu ao menos 15 oponentes políticos nas últimas semanas, incluindo cinco aspirantes a candidatos presidenciais, antes da eleição presidencial na qual o líder de longa data concorrerá a um quarto mandato consecutivo.

Um jornalista e ao menos mais duas pessoas também foram detidos.

"Os inimigos da revolução, os inimigos do povo, estão gritando como é possível estarem detidos, como é possível estarem aprisionados, como é possível estarem sendo processados", disse Ortega em um discurso televisionado ao vivo.

Ortega argumentou que seu governo está prendendo e processando criminosos que estavam tramando um golpe contra ele.

"É absurdo libertá-los. Tudo que estamos fazendo, estamos fazendo pelas regras", disse ele, acrescentando que a riqueza de oponentes que ele afirmou serem da "alta sociedade" não os torna intocáveis.

Ele se referiu à detenção de separatistas catalães na Espanha e à detenção de manifestantes após a invasão do Capitólio dos Estados Unidos para dizer que é hipócrita estes países pedirem para a Nicarágua libertar seus presos.

Na terça-feira, o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Ned Price, classificou as detenções e investigações como uma "campanha de terror em andamento" e disse que os EUA "usarão todas as ferramentas diplomáticas e econômicas à nossa disposição" para promover eleições livres.

O governo dos EUA diz estar preparado para analisar "atividades relacionadas ao comércio" se as eleições não forem livres e justas.

"Eles estão de joelhos pedindo sanções aos (norte-americanos), implorando por sanções... eles pensam que sanções deterão a Nicarágua. A Nicarágua passou por tempos muito mais difíceis", disse.

Ortega acusou os EUA de tentarem depor o que qualificou de governos progressistas e pediu o fim do "capitalismo selvagem", mais um lembrete de que recuou de uma estratégia anterior de coexistência com a classe empresarial do país.

Nesta semana, o grupo de direitos humanos Human Rights Watch disse que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, deveria abordar a crise com o Conselho de Segurança.

(Por Ismael Lopez em Manágua e Anthony Esposito e Diego Ore na Cidade do México)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos