Mercado fechado

Presidente da GM ameaça mais uma vez sair do Brasil: “Sem investimento será difícil continuar”

Zarlenga deixou claro que a montadora só investirá no país se tiver possibilidades de retorno. “Sem investimentos, a situação da GM vai ficar complicada” (Danilo M Yoshioka/Futura Press)

Em entrevista à revista Época Negócios, o presidente da GM Mercosul, Carlos Zenga, afirmou que seus apelos para receber investimentos e ameaças de deixar o Brasil fizeram efeito. Caso seja aprovado um acordo para deduzir custos, a empresa aprovará um investimento de R$ 10 bilhões. “Vários pessoas me perguntaram se foi um erro. Qual era a alternativa? Não falar sobre o que realmente está ocorrendo? Se não conseguirmos viabilizar investimentos, será muito difícil continuar operando. E o problema vai além da GM”, indica.

O executivo detalhou que a maior parte das montadoras que atuam no país enfrenta dificuldades financeiras. “O Estadão publicou matéria mostrando que as montadoras do Brasil receberam das matrizes mais de R$ 50 bilhões em financiamentos em 2018. Uma indústria que cresceu 14% no ano passado precisaria desse dinheiro para se sustentar se estivesse bem? Por isso começamos a trabalhar com nossos parceiros. Se os investimentos necessários para São Caetano do Sul e São José dos Campos não forem feitos, os produtos das duas plantas acabam. Se acaba, acontece o quê?”, questiona.

Zarlenga deixa bem claro que a GM só investirá no país se tiver possibilidades de retorno. “Não se pode sair da lógica de que uma companhia investe com expectativa de retorno razoável” diz. “Sem investimentos, a situação da GM vai ficar complicada. Mas quero pensar num cenário em que todo o setor vai mudar para se tornar mais competitivo”, aponta.

Relembre

No início do ano, a diretoria da empresa divulgou um comunicado a todos os funcionários, afirmando que precisaria cortar custos para sobreviver. O presidente da companhia chegou a se reunir com o  o governo de São Paulo em busca da redução de impostos.