Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,51
    -0,64 (-0,89%)
     
  • OURO

    1.819,60
    -41,80 (-2,25%)
     
  • BTC-USD

    38.337,87
    -1.898,86 (-4,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    961,10
    -31,37 (-3,16%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,66 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.909,25
    -72,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0616
    -0,0004 (-0,01%)
     

Presidente da Colonial Pipeline pagou resgate a hackers para empresa reaver acesso a sistemas

·1 minuto de leitura
Colonial Pipeline na estação Dorsey Junction

WASHINGTON (Reuters) - O presidente-executivo da Colonial Pipeline afirmou que pagou resgate para hackers que sequestraram o acesso aos computadores da companhia para conseguir fazer o óleoduto voltar a operar o mais rápido possível, segundo um depoimento por escrito entregue ao Congresso dos Estados Unidos e visto pela Reuters nesta segunda-feira.

O sistema de 8.850 quilômetros da Colonial Pipeline ficou fechado por vários dias em maio depois do ataque hacker mais grave já registrado nos EUA. A invasão aos sistemas da empresa impediu que milhões de litros de gasolina, diesel e combustível de aviação escoassem da costa do Golfo norte-americano para a Costa Leste do país.

O presidente-executivo da Colonial, Joseph Blount, também afirmou no depoimento que a empresa acredita que os hackers exploraram uma conta de VPN abandonada para conseguirem entrar nos sistemas da companhia.

(Por Joseph Menn)