Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,28
    -0,22 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.785,70
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    62.338,39
    -3.564,25 (-5,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.478,42
    -56,22 (-3,66%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    15.390,25
    -88,50 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5807
    -0,0003 (-0,00%)
     

Presidente da Argentina renova gabinete após crise no governo

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Alberto Fernández e Cristina Kirchner (AFP/ALEJANDRO PAGNI)

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou um novo gabinete nesta sexta-feira, dando por superada a crise no governo que enfrentou com a vice, Cristina Kirchner, ao longo da semana, após a derrota eleitoral nas primárias legislativas.

Juan Manzur, governador da província de Tucumán e indicado pela vice-presidente, assumirá como chefe de gabinete, substituindo Santiago Cafiero, um dos funcionários mais questionados por Cristina, anunciou a presidência. Os novos ministros tomarão posse na próxima segunda-feira.

Cafiero foi nomeado novo chanceler, no lugar de Felipe Solá, que está no México para a reunião de cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), representando o presidente. Devido à crise, Fernández declinou da viagem ao México e de participar da Assembleia Geral da ONU na semana que vem, em Nova York.

Os novos ministros que entrarão no gabinete são Aníbal Fernández (Segurança), Julián Domínguez (Pecuária, Agricultura e Pesca), Juan Perzyck (Educação) e Daniel Filmus (Ciência e Tecnologia).

Também foi nomeado Juan Ross como secretário de Comunicação e Imprensa, substituindo Juan Pablo Biondi, que a vice-presidente havia rechaçado abertamente e acusado de organizar "operações em off".

O governo de Fernández enfrentou nesta semana sua crise mais aguda, após as eleições primárias legislativas de domingo passado, nas quais a coalizão Frente de Todos (peronismo de centro-esquerda) obteve apenas 31% dos votos em nível nacional. O resultado ameaça a maioria governista no Senado para as eleições parlamentares parciais de 14 de novembro e afastam a possibilidade de alcançá-la na Câmara dos Deputados, quando ainda restam dois anos de mandato Fernández-Kirchner.

nn/ll/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos