Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.034,25
    -1.400,70 (-3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Presidente da Apple assina acordo de US$275 bi para aplacar China, diz The Information

·1 min de leitura

Por Chavi Mehta

BENGALURU, Índia (Reuters) - O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, assinou um acordo com autoridades da China estimado em cerca de 275 bilhões de dólares, para resolver ameaças que teriam prejudicado a companhia no país, publicou o The Information na terça-feira.

A Apple não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

O acordo de cinco anos foi feito quando Cook fez visitou a China em 2016 para anular uma série de ações regulatórias contra a empresa, publicou a reportagem, citando entrevistas e documentos internos da Apple.

Cook fez lobby junto às autoridades chinesas, que acreditavam que a empresa não estava contribuindo o suficiente para a economia local, e assinou o acordo com uma agência governamental chinesa, fazendo concessões a Pequim e obtendo importantes isenções legais.

Parte do investimento da Apple na China iria para a construção de novas lojas de varejo, centros de pesquisa e desenvolvimento e projetos de energia renovável, diz o Information, citando o acordo.

A China é um dos maiores mercados da Apple, com crescimento anual de vendas de 83% no país no quarto trimestre fiscal.

Como parte do acordo, a Apple prometeu usar mais componentes de fornecedores chineses em seus dispositivos, assinar acordos com empresas de software chinesas, colaborar em tecnologia com universidades chinesas e investir diretamente em empresas chinesas de tecnologia, afirma a reportagem do The Information.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos