Mercado fechado

Presidente da Alesp diz que vai barrar homenagem a Pinochet

O anúncio do veto foi feito pelo presidente da Alesp, Cauê Macris. (Foto: Reprodução/Twitter)

O presidente da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), Cauê Macris (PSDB), escreveu no Twitter que vai vetar a homenagem ao ditador chileno Augusto Pinochet, promovida pelo deputado estadual Frederico d'Avila (PSL).

A proibição foi anunciada por Cauê Macris em seu Twitter, na noite desta quarta-feira (20).

Leia também

“Assino nesta quinta um ato da Presidência impedindo que aconteça o evento em homenagem ao ditador Augusto Pinochet dentro da Assembleia. O ato será publicado no Diário Oficial do Estado na sexta-feira (22)”, escreveu Cauê Macris.

A homenagem estava marcada para o próximo dia 10 de dezembro, data da morte do ex-presidente chileno.

Em sua rede social, o parlamentar justificou a homenagem a Pinochet.

“O Presidente Augusto Pinochet conduziu seu Governo de forma brilhante, impedindo que o cenário ditatorial e violador de direitos humanos Cubano e Soviético da época se instalasse no seio da sociedade chilena. A visão comunista desses fatos nunca entenderá o bem que ele fez àquele país e à América Latina. Acabou a era de exaltar terroristas como se heróis fossem. Pinochet, em 17 anos do seu governo, transformou o Chile na economia mais pujante da América Latina. Estão todos convidados para o Ato Solene em Homenagem a este grande patriota!”.

A publicação trazia ainda um convite com a foto do ditador, o deputado convida a todos para o evento no Auditório Paulo Kobayashi, na Alesp.

No dia 10 de dezembro, também é celebrado o dia internacional dos direitos humanos, num evento organizado pela ONU e por centenas de entidades pelo mundo.

Augusto José Ramón Pinochet Ugarte foi o general do exército chileno que comandou a ditadura militar do país de 1973 a 1990. Durante 17 anos, o regime deixou 3 mil mortos e mais de 40 mil dissidentes torturados.