Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.530,21
    -364,62 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Presidente colombiano enfrenta protestos e críticas por manejo da crise

·3 minuto de leitura
Manifestante com a bandeira da Colômbia em Medellín, em 7 de maio de 2021

Com as ruas ardendo contra seu governo, Iván Duque parece errático e desconectado de uma Colômbia em crise, de acordo com analistas. Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra seu governo desde 28 de abril.

O país, empobrecido pela pandemia e com a violência de volta depois do pacto de paz com a poderosa guerrilha das FARC, voltou sua frustração para o presidente de 44 anos.

Em 2019, um movimento estudantil sem precedentes deu o primeiro aviso ao presidente. Desde então, exige uma mudança no rumo político.

Após décadas de estigmatização da contestação social - então ligada à insurgência armada - os jovens perderam o medo da mobilização, assim como os sindicatos, caminhoneiros e indígenas.

Embora em sua maioria pacíficos, os protestos nos últimos dias deixaram pelo menos 26 mortos e mil feridos entre manifestantes e agentes.

A força pública está na mira, até mesmo da comunidade internacional, pela repressão aos manifestantes. Enquanto isso, o governo se protege na retórica do vandalismo, da infiltração de grupos armados, de ataques coordenados contra a polícia.

Duque "transmite uma imagem de estar desconectado da realidade", disse à AFP Jairo Libreros, analista político da Universidade Externado.

Após quatro dias de pressão nas ruas, Duque retirou o projeto de reforma tributária que punia a classe média e que gerou protestos. No dia seguinte, o ministro da Fazenda renunciou. E uma semana após o início das mobilizações, o presidente cedeu ao diálogo, embora primeiro tenha convidado os que não foram às ruas.

Para Sandra Borda, analista da Universidad de Los Andes, é "uma conversa entre eles e eles próprios".

Diante da persistência da contestação, o governo implantou 47,5 mil soldados em todo o país, para "garantir a tranquilidade".

A comunidade internacional denunciou em uníssono as agressões das forças de segurança durante as manifestações.

Essa decisão "foi como atear gasolina à fogueira, uma medida pouco assertiva que confirma a desconexão que existe entre a Presidência e problemas que são eminentemente sociais", indica Libreros.

- Números questionados -

Desde o início da pandemia no país, em março de 2020, Duque apareceu diariamente na televisão. O espaço tornou as coletivas de imprensa e entrevistas menos frequentes.

É "um espaço bolha, (...) um círculo fechado", sem espaço para debate, comenta Yann Basset, especialista da Universidad del Rosario.

Em meio ao caos da agitação que se seguiu aos protestos, a confusão também reina sobre os números.

Em Cali, por exemplo, sete pessoas morreram segundo a prefeitura e 15 segundo o Ministério Público. Já para a ONG Temblores, foram 47 mortes no total, 35 delas naquela cidade.

"As entidades que deveriam se encarregar de garantir a segurança das pessoas (...) são todos órgãos de segurança que o governo cooptou e onde colocou amigos próximos do presidente", diz Borda.

Os dados aumentaram a desconfiança nas instituições. E para a analista Laura Gil "os vídeos (de abusos policiais) são tão contundentes que os números não importam".

"Com a militarização das cidades e os abusos da polícia (...) perdeu o apoio da comunidade internacional", acrescenta.

Duque ignorou especialistas, acadêmicos, adversários e até aliados quando o alertaram sobre o inconveniente de um aumento dos impostos em meio à pandemia.

"Todos o avisaram que não era politicamente viável", explica Basset. "Isso mostra bem a incapacidade do governo de interpretar a situação".

A iniciativa buscava aumentar o ICMS sobre alguns produtos e ampliar a base de contribuintes, em um país onde 42,5% da população é pobre e 16,8% desempregada.

das/lv/jss/lda/mr