Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.775,00
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    41.221,62
    -2.368,08 (-5,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.020,38
    -43,46 (-4,09%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.988,25
    -21,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1815
    -0,0632 (-1,01%)
     

Presidente do COI irrita Japão por discurso longo na cerimônia de abertura

Presidente do COI, Thomas Bach, discursa na cerimônia de abertura da Olimpíada

Por Antoni Slodkowski

TÓQUIO (Reuters) - Em uma edição dos Jogos Olímpicas considerada a mais inclusiva e diversa de que se tem registro, um elemento da cerimônia de abertura de sexta-feira se destacou para muitos japoneses: o líder do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, falou durante 13 minutos, cerca de duas vezes mais do que sua anfitriã japonesa, Seiko Hashimoto.

O discurso de Bach, com temas familiares de paz, solidariedade e gratidão pela superação às durezas do coronavírus, imediatamente causou raiva no Twitter e na imprensa tradicional do Japão.

“A partir de amanhã, vamos dar a Bach o apelido de ‘o cara que dá longos discursos’”, disse o usuário @Riko_Murai em um tuíte retuitado 7.730 vezes e curtido por mais de 20.000 pessoas.

A reação sublinhou a oposição dos japoneses, cansados pelo coronavírus, em relação à Olimpíada, em meio a preocupações de uma nação ainda não vacinada de que os Jogos possam se tornar um evento de disseminação do vírus.

O COI e organizadores de Tóquio 2020 não responderam imediatamente a e-mails buscando comentários.

Na segunda-feira, Bach foi criticado por comparecer a uma festa de boas-vindas com quase 40 pessoas no momento em que Tóquio passa por mais um estado de emergência. Restaurantes estão fechando às 20h e receberam a orientação de não vender bebidas alcoólicas para desencorajar grandes aglomerações.

(Reportagem de Antoni Slodkowski)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos