Mercado abrirá em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,41
    +0,66 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.725,00
    -8,60 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    51.302,48
    +2.234,81 (+4,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,08
    +38,99 (+3,95%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.693,73
    +79,98 (+1,21%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.150,25
    +95,00 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Presidente do BID defende aumento de capital de US$ 80 bilhões

Eric Martin
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Interamericano de Desenvolvimento precisará reduzir os empréstimos em pelo menos 25% em relação ao ano passado, a menos que seus membros aprovem um aumento de capital proposto de US$ 80 bilhões para ajudar países atingidos pelo coronavírus, segundo o presidente da instituição.

O BID emprestou um recorde de US$ 21,6 bilhões para a região em 2020 para o combate à pandemia, antecipando o financiamento atribuído a este ano e ao próximo, disse o presidente da instituição, Mauricio Claver-Carone, em entrevista na quarta-feira. Os empréstimos deverão retornar à faixa de US$ 12 bilhões a US$ 16 bilhões a partir deste ano, mesmo com a crise na região, se não houver aprovação de mais recursos, principalmente dos EUA, disse.

Senadores dos EUA - Bob Menéndez, democrata de Nova Jersey, e Marco Rubio, republicano da Flórida - apresentaram em dezembro um projeto de lei para enviar US$ 600 milhões ao BID e autorizar US$ 23,4 bilhões em capital de reserva, que somados aumentariam o capital social do BID em US$ 24 bilhões em cinco anos. A iniciativa faz parte de um plano de aumento total de US$ 80 bilhões em recursos, agregando os outros 47 membros do banco.

Seria o primeiro aumento de capital do BID, que tem sede em Washington, desde um acordo de 2010. Os EUA são o maior acionista do banco, com participação de 30%.

A América Latina foi fortemente atingida pela Covid-19. A região tem 8% da população mundial e responde por 25% das mortes. Os países enfrentam uma das piores recessões econômicas já registradas, com milhões de pessoas perdendo empregos ou caindo na pobreza.

O BID pode desempenhar um papel fundamental na reconstrução, diz Claver-Carone.

“O único Plano Marshall que existe para uma região que precisa tão desesperadamente dele é o aumento de capital do BID”, disse Claver-Carone, comparando o trabalho do banco ao programa de ajuda dos EUA para reconstruir a Europa Ocidental após a Segunda Guerra Mundial.

Claver-Carone planeja usar a reunião anual do banco no próximo mês para pedir a outros países além dos EUA que iniciem o processo formal de aumento de capital, afirmou.

As prioridades da instituição incluem uma iniciativa para atrair manufatura e produção do exterior para a região; digitalização; iniciativas para pequenas e médias empresas; combate à mudança climática; e trabalhar na inclusão de gênero e aumento da presença de mulheres na força de trabalho.

Claver-Carone também disse que a implementação da vacinação na América Latina precisa melhorar. O BID anunciou em dezembro planos para mobilizar US$ 1 bilhão para ajudar os países a comprarem e distribuírem vacinas contra a Covid-19. No entanto, o valor ainda é apenas uma fração dos US$ 150 bilhões que Claver-Carone estima que a região precisa para gastos com saúde para a pandemia de Covid-19, furacões e crise de refugiados na Venezuela.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.