Mercado fechado

Presidente do BCE teme suspensão súbita dos planos de ajuda pública por causa do vírus

·1 minuto de leitura
(Arquivo) A presidente do BCE, Christine Lagarde em 11 de fevereiro de 2020 no Parlamento Europeu, em Estrasburgo
(Arquivo) A presidente do BCE, Christine Lagarde em 11 de fevereiro de 2020 no Parlamento Europeu, em Estrasburgo

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, alertou nesta segunda-feira (12) aos governos sobre os riscos do fim repentino de suas medidas de apoio à economia, aplicadas para frear o impacto da pandemia, defendendo uma "transição lenta". 

Diante da recessão causada pelo novo coronavírus, com urgência os governos implantaram uma série de novos instrumentos de apoio à economia (desemprego temporário, adiamento de tributos, ajudas setoriais, entre outros).

"Minha principal preocupação neste momento é que a continuação das políticas torne possível evitar que algumas das aplicadas durante a pandemia (...) cessem brutalmente", ressaltou Lagarde em uma conferência organizada pelo FMI. 

"Esperamos que as autoridades entendam e ajam de forma para que esses auxílios se prolonguem por algum tempo, para que a recuperação possa ser ocorrer, mesmo que a pandemia se acabe de maneira gradativa", acrescentou. 

A presidente do BCE pediu por uma "transição lenta" para outras medidas destinadas a apoiar a retomada das atividades, à medida que vão sendo criadas "novas empresas" e o mercado de trabalho se recupera. 

Essas políticas devem ter como foco o investimento público, a educação e um ambiente regulatório eficaz, afirmou. 

Christine Lagarde havia elogiado em julho um plano de recuperação histórico acordado pelos líderes da UE frente à crise do novo coronavírus. 

Esse programa de auxílio, denominado Programa de Compra de Emergências da Pandemia (PEPP), duraria até junho de 2021. 

Diante de muitas incertezas sobre o crescimento, os observadores esperam novas ações do BCE até o final do ano.

ed/smk/fcz/oaa/eg/mb/bn