Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,70
    +0,27 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.787,10
    +5,10 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    50.925,80
    -3.153,17 (-5,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.166,22
    -76,83 (-6,18%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.798,45
    +43,11 (+0,15%)
     
  • NIKKEI

    28.987,96
    -200,21 (-0,69%)
     
  • NASDAQ

    13.773,75
    +23,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5468
    +0,0052 (+0,08%)
     

Presidente do BCE alerta que estímulo pode levar um tempo para aparecer

·1 minuto de leitura
Presidente do BCE, Christine Lagarde

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu poderá necessitar de algum tempo antes que a aceleração no ritmo de impressão de dinheiro definida recentemente como parte dos esforços para diminuir as consequências da pandemia de Covid-19 se torne aparente, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, nesta quinta-feira.

O BCE concordou na semana passada em aumentar "significativamente" suas compras de títulos para manter os rendimentos baixos, mas Lagarde disse que vai demorar um tempo até que esse movimento apareça nos números semanais de compra de títulos.

"Embora os registros de nossas compras semanais continuem distorcidos por fatores de curto prazo - como eventuais resgates irregulares - o aumento na taxa de execução de nosso programa se tornará visível quando verificado em intervalos de tempo mais longos", disse Lagarde em discurso.

As preocupações do mercado se tornaram ainda mais prementes depois que o Federal Reserve dos Estados Unidos aumentou as expectativas de crescimento e inflação na quarta-feira, ao mesmo tempo em que não sinalizou um aumento nas taxas de juros até 2024.

Isso fez com que os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA de longo prazo subissem, o que elevou os custos de empréstimos da zona do euro.

(Reportagem de Balazs Koranyi)