Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,28
    +0,39 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    30.015,04
    +550,57 (+1,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,54 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,23 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Presidente do BC russo sinaliza mais cortes de juros e retorno à meta de inflação em 2024

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Presidente do BC da Rússia, Elvira Nabiullina
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Reuters) - A presidente do banco central da Rússia, Elvira Nabiullina, sinalizou nesta segunda-feira um novo corte de juros e disse que levará dois anos para reduzir a inflação para sua meta de 4%, à medida que a economia se adapta ao impacto de sanções ocidentais.

"O período em que a economia pode viver de reservas é finito. E já nos segundo e terceiro trimestres entraremos em um período de transformação estrutural e de busca por novos modelos de negócios", disse Nabiullina em seu discurso mais significativo desde que a Rússia enviou suas forças à Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Ela disse aos membros do Parlamento que isso será acompanhado por um aumento nos preços de certos bens, de modo que a inflação --que atingiu 17% ao ano em março-- ficará acima da meta. Mas isso será causado pela baixa oferta, não pela demanda alta.

"Portanto, não tentaremos reduzi-la de forma alguma --isso impediria que os negócios se adaptassem", disse ela. Mas "o crescimento da inflação não deve ser incontrolável" e a política monetária do banco a trará de volta à meta de 4% em 2024.

O adiamento da meta de inflação do banco central destacou o desafio que Nabiullina, uma das autoridades de política monetária mais respeitadas do mundo, enfrenta conforme tenta estabilizar a economia da Rússia, que está sob ataque de sanções ocidentais.

Nabiullina elevou a principal taxa de juros da Rússia para 20%, de 9,5%, em 28 de fevereiro, quatro dias depois que as forças russas entraram na Ucrânia. Mas depois, em 8 de abril, a reduziu para 17%.

Nesta segunda-feira, ela sinalizou que tentará cortar os custos dos empréstimos ainda mais.

"Devemos ter a possibilidade de reduzir a taxa básica mais rapidamente", disse Nabiullina. "Devemos criar condições para aumentar a disponibilidade de crédito para a economia."

Ela também disse que Moscou planeja tomar medidas legais sobre o bloqueio de ouro, moedas estrangeiras e outros ativos pertencentes a residentes russos, acrescentando que tal medida precisaria ser minuciosamente pensada.

(Reportagem da Reuters)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos