Mercado fechará em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    100.789,71
    +2.117,45 (+2,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.238,73
    +497,23 (+1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,82
    +2,20 (+2,04%)
     
  • OURO

    1.825,10
    -5,20 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    20.718,62
    -481,93 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    449,40
    -12,39 (-2,68%)
     
  • S&P500

    3.902,44
    -9,30 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    31.455,78
    -44,90 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.037,50
    -103,00 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5354
    -0,0170 (-0,31%)
     

Presidente do BC do Japão pede desculpas por dizer que as pessoas estão começando a aceitar altas de preços

Haruhiko Kuroda, presidente do banco central japonês

Por Leika Kihara e Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - O chefe do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, pediu desculpas nesta terça-feira por afirmar na véspera que as famílias estavam se tornando mais receptivas aos aumentos de preços, o que provocou críticas e ressaltou a sensibilidade do público ao aumento do custo de vida.

O comentário foi feito em um momento sensível para o governo do primeiro-ministro Fumio Kishida, que enfrenta críticas crescentes para enfrentar o aumento dos custos de alimentos e combustível antes da eleição para a câmara alta no próximo mês.

"Lamento que a expressão tenha causado algum mal-entendido", disse Kuroda a repórteres, acrescentando que havia sido inapropriado para ele dizer que as famílias estavam se tornando mais receptivas aos aumentos de preços.

Mais cedo, o legislador da oposição Kenji Katsube, um dos vários políticos que questionaram Kuroda no Parlamento, disse que a declaração do presidente do Banco do Japão mostrou que ele "não entende como o público se sente" sobre os aumentos de preços.

Segundo a agência de notícias Kyodo, o ministro do Comércio, Koichi Hagiud, afirmou, em resposta às perguntas dos repórteres sobre o comentário: "Desvia um pouco da realidade".

A observação também provocou críticas nas mídias sociais, com respostas usando a hashtag "Não podemos aceitar aumentos de preços".

Um usuário escreveu: "Estamos comprando mercadorias porque são necessidades diárias, não porque estamos aceitando" preços mais altos. "Todos estão sofrendo."

Outro escreveu: "Somente pessoas ricas como você puderam poupar durante a pandemia do coronavírus".

Embora tenha admitido que suas palavras possam ter sido inadequadas, Kuroda disse que a observação se destinava a ajudar a explicar a necessidade de mais crescimento salarial.

O núcleo dos preços ao consumidor no Japão subiu 2,1% em abril na base anual, excedendo a meta de inflação do banco central pela primeira vez em sete anos, devido principalmente ao aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos