Mercado fechará em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    110.188,57
    +787,16 (+0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,44
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +4,20 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    16.808,08
    -203,16 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,21
    -7,60 (-1,89%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.512,32
    -9,07 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.450,75
    -115,25 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5028
    +0,0241 (+0,44%)
     

Presidente do BC do Japão indica ajuste em juros ultrabaixos como opção futura

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, na indicou nesta quarta-feira uma chance de ajuste na política de controle da curva de juros do banco no futuro, dizendo que isso pode se tornar uma opção futura se a inflação continuar a crescer.

"Por enquanto, não vejo a necessidade de aumentar as taxas de juros ou fazer qualquer modificação no controle da curva", disse Kuroda ao Parlamento, enfatizando a importância de sustentar a economia com uma política monetária ultrafrouxa.

"Mas se o Japão vir perspectivas de que a inflação se encaminha para 2%, acompanhada de aumentos salariais, um ajuste na política monetária se tornará, naturalmente, necessário", disse ele.

A observação provavelmente manterá vivas as expectativas do mercado de um ajuste nas taxas de juros ultrabaixas do banco central quando o segundo mandato de cinco anos de Kuroda terminar em abril do próximo ano.

Sob o controle da curva de rendimentos, o Banco do Japão orienta as taxas de juros de curto prazo em -0,1% e o rendimento dos títulos a 10 anos em torno de zero, como parte dos esforços para impulsionar de forma sustentável a inflação até sua meta de 2%.