Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.381,01
    +836,87 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Presidente do BC do Japão diz que não tem planos de parar compras de ETFs ou vendê-los

Tetsushi Kajimoto
·1 minuto de leitura
Presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, disse nesta segunda-feira que o banco central não vai parar de comprar fundos de índice (ETFs, na sigla em inglês) ou vendê-los, à medida que tenta tornar suas ferramentas de flexibilização mais flexíveis e sustentáveis sob sua política de controle da curva de juros.

Falando perante o comitê financeiro da Câmara alta, Kuroda disse que sua revisão das compras de ETFs permitiria ao Banco do Japão continuar a usar a política de afrouxamento monetário "de forma mais flexível e eficaz".

O banco central removeu uma orientação explícita para a compra de ETFs a um ritmo anual de cerca de 6 trilhões de ienes (55,13 bilhões de dólares) na revisão de suas ferramentas de política monetária divulgada na sexta-feira.

Em vez de comprar em um ritmo determinado, o Banco do Japão disse que só entraria em ação quando os mercados se desestabilizassem, com um teto de gastos de 12 trilhões de ienes estabelecido no ano passado.

Kuroda também prometeu manter a meta de inflação de 2%, que ele descreveu como um padrão global, já que ajuda a estabilizar as moedas das principais economias.