Mercado abrirá em 4 h 10 min
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,73
    -0,42 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.809,00
    -52,40 (-2,82%)
     
  • BTC-USD

    39.215,15
    -890,85 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    972,95
    -19,53 (-1,97%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.157,69
    -27,26 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.896,00
    -85,25 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0691
    +0,0071 (+0,12%)
     

Presidente do BC diz que questionamento da autonomia no STF traz ‘insegurança jurídica temporária’

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que o questionamento da autonomia do BC no Supremo Tribunal Federal (STF) traz uma insegurança jurídica momentânea. O presidente participou de um evento transmitido ao vivo nesta sexta-feira.

— Nós estamos preocupados porque quando você tem algo que é amplamente votado e aprovado e isso é levado ao STF, nos coloca em um momento temporário de insegurança jurídica — afirmou.

Segundo Campos Neto, essa insegurança pode ser prejudicial para o Banco Central.

— Nossa principal preocupação é a insegurança, a instabilidade do processo, e isso é muito prejudicial ao Banco Central — disse.

A autonomia do Banco Central foi aprovada pelo Congresso em fevereiro, depois de décadas em tramitação tanto no Senado quanto na Câmara. No entanto, logo depois da aprovação, o projeto foi questionado no STF pelo PSOL e pelo PT.

Os partidos argumentaram que havia um vício de iniciativa no projeto, já que foi apresentado pelo senador Plínio Valério (PSDB-AM), quando o assunto é de competência privativa do presidente da República.

Em abril, a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou favoravelmente a ação ao entender que de fato a iniciativa do projeto deveria ter sido do poder Executivo.

O processo está nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski, que pode decidir por uma liminar ou levar o assunto ao pleno do STF para uma decisão conjunta.

Mudanças internas

Campos Neto explicou que depois que o projeto foi sancionado, o Banco Central passa por um processo de muitas mudanças internas e o questionamento do STF traz uma insegurança.

— Quando você se torna autônomo você precisa mudar muitos quadros normativos porque você olha para os diretores de uma maneira diferente, o presidente é independente da política do Executivo. Os regimentos internos estão mudando e, ao mesmo tempo em que você faz isso, o processo é contestado no STF — explicou.

O presidente do BC enfatizou que o tema foi bastante discutido no Congresso e que espera que o assunto seja resolvido rapidamente.

— Nós vamos tentar conversar com todo mundo da mesma maneira como fizemos no passando, explicando. Mas não podemos comentar as decisões dos parlamentares e do STF. As decisões serão tomadas por eles, de forma independente, mas o que vamos tentar fazer é explicar o porquê achamos que é importante para o Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos