Mercado fechará em 4 h 20 min
  • BOVESPA

    108.926,05
    -50,66 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,59
    -1,69 (-2,22%)
     
  • OURO

    1.749,40
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    16.267,59
    -282,05 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,48
    +1,19 (+0,31%)
     
  • S&P500

    4.006,71
    -19,41 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    34.225,68
    -121,35 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.457,11
    -29,56 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.718,00
    -64,75 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6114
    -0,0130 (-0,23%)
     

Presidente do BC diz que é 'cedo para comemorar' queda da inflação

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  01-10-2020: O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, 01-10-2020: O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça (15) em Nova York que "é cedo para comemorar" os "indicadores incipientes" de queda da inflação no Brasil -na realidade, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) teve um aumento de 0,59% em outubro, interrompendo três meses de queda.

Campos Neto falava em evento do Lide, grupo fundado pelo ex-governador paulista João Doria. "Apesar de grande parte da melhora da inflação recente ser devido a medidas do governo, existem indicadores incipientes que mostram uma melhora qualitativa. É cedo para comemorar, nós precisamos persistir no combate à inflação, precisamos persistir em atingir as nossas metas porque essa é a melhor forma de contribuir com o crescimento sustentável", disse.

Em meio ao debate sobre a prioridade que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende dar à área social em detrimento a cortes de gastos, ao menos em discurso que impactou o mercado financeiro, Campos Neto fez uma defesa da responsabilidade fiscal para garantir investimentos sociais.

"Temos de mostrar disciplina fiscal. Existe um ponto de inflexão em que apoiar os mais necessitados coloca em risco a estabilidade", afirmou. "Precisamos de um conjunto de políticas que olhe o social, mas que atraia investimento."

Ele defendeu a ação do BC no contexto da pandemia da Covid-19. "Acho que o Banco Central identificou rápido o começo da pandemia. Fez a maior liberação de capital e liquidez muito rapidamente. O Banco Central identificou mais rápido o caráter persistente da inflação, e foi o primeiro a subir os juros", afirmou, citando o cenário posterior, com a Guerra da Ucrânia, que alimentou preços de energia e alimentos no mundo todo.

Em sua fala, Campos Neto previu um crescimento menor no ano que vem, dada a desaceleração mundial puxada pelos Estados Unidos. "Mas o Brasil é um sério candidato a ser beneficiado pela nova realidade global. Tem energia renovável em quantidade grande. Devemos evitar o aumento de impostos", afirmou, aplaudido pela plateia composta majoritariamente por empresários brasileiros.

O jornalista Igor Gielow viaja a convite do Lide