Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.799,70
    +10,00 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    24.388,67
    +613,36 (+2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Presidente do BC britânico rejeita discussões sobre menos independência

Pesidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey

LONDRES (Reuters) - O presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, rejeitou as sugestões da candidata favorita a se tornar a próxima primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, e seus apoiadores de que o governo deveria ter um papel maior na forma como o banco central opera.

Com a inflação a caminho de ultrapassar 13% neste ano, a maior desde 1980, Truss disse que quer definir "uma direção clara de percurso" para a política monetária e prometeu uma revisão do mandato do banco central britânico.

Aliada de Truss, a procuradora-geral Suella Braverman, chegou a dizer que a revisão questionará os poderes exclusivos do banco para definir a taxa de juros.

Bailey respondeu dizendo que é "criticamente importante" que os bancos centrais mantenham sua independência, algo sobre o qual o Banco da Inglaterra tem "opiniões fortes".

"Na verdade, pelo que vejo...não acho que haja um grande desejo neste país de questionar a independência do banco central", disse ele à rádio BBC em entrevista transmitida nesta sexta-feira, um dia após o banco aumentar a taxa de juros pela maior marca desde 1995 e prever uma longa recessão.

"Mas estou muito feliz em discutir com o novo governo, você sabe, os detalhes e a natureza do regime que está em vigor."

O Banco da Inglaterra obteve independência operacional para a política monetária em 1997, quando foi incumbido de cumprir uma meta de inflação, atualmente de 2%, fixada pelo governo.

(Reportagem de William Schomberg)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos