Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.025,81
    -632,88 (-1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Presidente do BC britânico diz que economia está em período "muito difícil"

David Milliken e Andy Bruce
·1 minuto de leitura
Presidente do banco central britânico, Andrew Bailey

Por David Milliken e Andy Bruce

LONDRES (Reuters) - O presidente do banco central britânico, Andrew Bailey, afirmou que o Reino Unido enfrenta alguns meses muitos difíceis à frente devido ao ressurgimento dos casos de Covid-19, mas minimizou as sugestões de que cortar os juros abaixo de zero será uma maneira direta de impulsionar o crescimento.

As declarações dele seguem-se a alertas na segunda-feira do ministro das Finanças, Rishi Sunak, de que a economia deve piorar antes de melhorar, com o país agora em seu terceiro lockdown e lutando para conter a disseminação do coronavírus.

"(Estamos) em um período bastante difícil no momento em que não há dúvidas de que vai atrasar, provavelmente, a trajetória", disse Bailey em discurso online à Câmara Escocesa de Comércio.

Entretanto, ele acrescentou que a forma básica da recuperação deve refletir a trajetória que o Banco da Inglaterra apresentou em suas previsões de novembro.

A maioria dos economistas acredita que a economia britânica deve voltar a cair em recessão, encolhendo no último trimestre de 2020 e no primeiro trimestre de 2021, após contração recorde de 25% da produção nos dois primeiros meses de lockdown do ano passado.

Bailey disse que a "melhor aposta" do banco central é de que a produção econômica nos últimos três meses de 2020 ficou estagnada ou teve leve queda.