Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.957,38
    -951,08 (-1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Presidente do Banco Central defende uso de mídias sociais para fazer pagamentos

Alveni Lisboa
·2 minuto de leitura

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, defendeu na terça-feira (30) a importância de integrar mecanismos de pagamento e serviços financeiros às redes sociais. Em uma live que participou, o executivo antecipou que o WhatsApp seria aprovado pela autoridade regulatória como forma de realizar pagamentos, o que de fato aconteceu no final da tarde de ontem.

O serviço de pagamentos WhatsApp Pay tinha sido suspenso pelo Banco Central, ao alegar potenciais riscos competitivos. A autarquia chegou a determinar que Visa e MasterCard suspendessem qualquer atividade vinculada a pagamentos realizados no aplicativo. Agora, no entanto, parece que o órgão reavaliou a decisão.

(Imagem: Divulgação/WhatsApp)
(Imagem: Divulgação/WhatsApp)

Segundo Campos Neto, as redes sociais possuem mais dados do que qualquer banco no mundo. Ele afirmou ser um entusiasta desta integração e estudioso do assunto há anos. "É o casamento que eu vejo acontecer, de finanças com mídias sociais. E os reguladores precisam entender como enfrentar e como regular e o que isso significa para a sociedade em termos de precificação e competição.", declarou no painel em que participou.

Devido à pandemia, esse processo de integração precisou se intensificar. Ele afirmou que houve três grandes ondas no mundo recente: maior facilidade de produção dados, graças à redução do custo-benefício propiciado pela computação; aumento na capacidade de armazenamento de dados, com a possibilidade de usar a nuvem com custos muito mais baixos do que no passado; e por último, houve um crescimento e consequente redução nos custos para análise de dados.

"Entendemos que não só não podíamos atrasar a nossa agenda como tínhamos que antecipá-la, como fizemos. O projeto Pix começou três meses mais cedo exatamente porque entendíamos que havia essa demanda da sociedade", explicou o presidente.

Que história é essa de pagamento no WhatsApp?

O WhatsApp Pay (WhatsApp Pagamentos, no Brasil) é um serviço financeiro anunciado em junho, focado no maior aplicativo de mensagens do mundo. O recurso não requer a instalação de aplicativos extras e permite a transferência de dinheiro de forma simples por meio da plataforma do Facebook Pay.

O projeto começou de forma piloto com suporte a cartões de crédito e débito do Nubank, Banco do Brasil e Sincredi, das bandeiras Visa e MasterCard. Caso desse certo, a ideia era expandir o serviço para outros bancos e serviços, mas a decisão do BC acabou freando os planos.

(Imagem: Divulgação/Facebook)
(Imagem: Divulgação/Facebook)

A liberação do pagamento via WhatsApp pode ser o primeiro passo para uma maior aceitação deste tipo de sistema no Brasil. Sabendo que o serviço conta com o apoio do órgão regulador das transações financeiras no país, é possível ser ainda mais otimista.

Você usaria o WhatsApp ou outra rede social para transferir dinheiro para amigos ou familiares? O que acha dessa ideia? Dê a sua opinião.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: