Mercado abrirá em 8 h 31 min
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.137,00
    +871,66 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Presidente argentino faz apelo por unidade em meio à crise política após primárias

·1 minuto de leitura
Presidente da Argentina, Alberto Fernández

Por Jorge Otaola e Walter Bianchi

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente da Argentina, Alberto Fernández, de centro-esquerda, pediu unidade na quinta-feira, depois que uma rebelião de ministros de esquerda radical ameaçou separar a coalizão governista após uma derrota contundente nas eleições primárias de meio de mandato.

O governo foi abalado na quarta-feira depois que o ministro do Interior, Eduardo de Pedro, ofereceu sua renúncia junto com várias outras autoridades de esquerda, sinalizando uma cisão dentro da coalizão governista entre os mais moderados e facções mais radicais.

O governo sofreu um duro golpe no domingo em uma eleição primária aberta, vista como um indicador confiável antes de uma eleição para o Congresso em novembro, na qual a coalizão governista pode perder o controle sobre o Congresso.

“A coalizão governista deve ouvir a mensagem das urnas e agir com responsabilidade”, escreveu Fernández no Twitter, dizendo que garantiria a unidade da coalizão e que o governo continuaria a agir da forma que ele “considerasse apropriada”.

“Este não é o momento de levantar disputas que nos desviem de nosso caminho”, escreveu o presidente.

A incerteza política assustou os investidores e pressionou os mercados locais e a moeda argentina, o peso.

Fernández ainda não aceitou ou rejeitou oficialmente as renúncias dos ministros da ala mais "kirchnerista" da coalizão peronista, ligada à poderosa vice-presidente Cristina Kirchner.

(Reportagem de Jorge Otaola e Walter Bianchi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos