Mercado fechará em 6 h 26 min
  • BOVESPA

    119.535,94
    +238,80 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,46
    +1,28 (+2,13%)
     
  • OURO

    1.736,70
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    63.978,62
    +923,35 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.380,53
    +4,75 (+0,35%)
     
  • S&P500

    4.140,96
    -0,63 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.706,73
    +29,46 (+0,09%)
     
  • FTSE

    6.909,87
    +19,38 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.993,00
    +17,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8443
    +0,0131 (+0,19%)
     

Presidente argentino diz confiar em crescimento econômico e cumprimento de obrigações de dívida

·2 minuto de leitura
Foto de arquivo do presidente da Argentina, Alberto Fernández, discursando no prédio do Senado no México

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente argentino, Alberto Fernández, reiterou nesta quarta-feira sua confiança de que o país sairá da recessão e terá condições de honrar a dívida externa, em diálogos por videoconferência com o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

A conversa abordou a situação socioeconômica nacional e a carteira de investimentos que o organismo possui na Argentina para lançar as bases para o desenvolvimento sustentável de médio e longo prazo.

A terceira maior economia da América Latina vem de uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de quase 15% nos últimos três anos, com alta inflação e pobreza com desemprego agravados pela pandemia do coronavírus.

O ministro da Economia, Martín Guzmán, disse recentemente que o país pode expandir até 7% em 2021.

O governo negocia com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a substituição de um fracassado programa acertado em 2018, durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri. Sob os termos desse acordo, a Argentina atualmente deve cerca de 45 bilhões de dólares ao organismo e enfrenta uma série de vencimentos que não pode postergar.

"Estamos confiantes de que com um crescimento harmonioso e equitativo poderemos seguir em frente, dando atenção a quem mais precisa", disse o presidente em comunicado oficial. "Há um processo de mudança na América Latina, e a Argentina quer poder dar sua contribuição na região."

A Argentina tem uma carteira de 26 empréstimos com o Banco Mundial no valor de 6,149 bilhões de dólares, dos quais 2,066 bilhões de dólares ainda a serem liberados.

A entidade ratificou seu apoio à aprovação de novos projetos de investimento de mais de 2 bilhões de dólares neste ano nas áreas de infraestrutura, saúde, proteção social, emprego e mudanças climáticas.

Durante a conversa entre o presidente argentino e Malpass, foi analisada a situação internacional das vacinas contra a Covid-19, e Fernández destacou a necessidade de uma distribuição equitativa, "pois (a vacina) deve ser concebida como um bem global ao qual todos os países podem ter acesso", concluiu.

(Reportagem de Jorge Otaola)