Mercado fechará em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    130.700,82
    +1.259,79 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.137,72
    -148,74 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +0,77 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.869,00
    -10,60 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    40.823,08
    +4.991,60 (+13,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,24
    +45,40 (+4,69%)
     
  • S&P500

    4.240,58
    -6,86 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.353,74
    -125,86 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.160,11
    +26,05 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.005,25
    +11,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1574
    -0,0352 (-0,57%)
     

Presidente argentino anuncia confinamento total por nove dias

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O presidente argentino, Alberto Fernández

O presidente argentino, Alberto Fernández, anunciou nesta quinta-feira (20) um confinamento total por nove dias, no momento em que o país "atravessa o pior momento da pandemia", com um registro diário de cerca de 35 mil casos e 450 mortos.

"A medida entrará em vigor da 0h de 22 de maio à meia-noite de 30 de maio", informou o presidente, em pronunciamento na TV. Apenas três são dias úteis, devido aos feriados de 24 e 25 de maio. A partir do dia 31, as restrições atuais serão retomadas, com um novo confinamento total no fim de semana de 5 e 6 de junho.

"Não devemos naturalizar tanta tragédia. Temos que assumir a gravidade. Não é o momento de especulações, ninguém tem o direito de querer tirar vantagem disso, devemos nos unir para superar esta catástrofe", declarou o presidente.

Durante o confinamento, estarão suspensas as atividades sociais, econômicas, educativas, religiosas e esportivas presenciais. Estarão autorizados apenas o comércio essencial e as entregas em domicílio. Os argentinos poderão circular somente pelos arredores de seus domicílios, entre as 6h e 18h. A proibição das atividades será semelhante à imposta por vários meses no começo da pandemia.

- Casos voltam a subir -

Ao contrário do que aconteceu em meados de abril, quando resistiu a aplicar as restrições em sua jurisdição, o prefeito opositor de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, afirmou que segue as medidas do governo central. "Os casos, que haviam começado a diminuir, voltaram a subir há uma semana. Isso nos preocupa muito. A ocupação dos leitos de UTI está em 83% no sistema público da cidade", afirmou em entrevista coletiva, após o pronunciamento do presidente.

A Argentina registrou hoje 35.884 novos casos de Covid-19 e 435 mortos, somando 3.447.044 casos e 72.699 mortos desde o começo da crise sanitária. Nos últimos sete dias, a média diária foi de 27.177 casos e 493 mortos.

Fernández afirmou que o governo continuará ajudando os setores menos favorecidos e as empresas, com subsídios que serão parcialmente financiados por um imposto extraordinário sobre as grandes fortunas. Ele disse que aguarda a chegada do México de 4 milhões de vacinas AstraZeneca produzidas em conjunto entre os dois países, além de 1 milhão de doses da russa Sputnik.

Quase 8,5 milhões de pessoas foram vacinadas com ao menos uma dose na Argentina, país de 45 milhões de habitantes. Outros 2,2 milhões receberam a imunização completa.

ls/nn/yow/am/lb