Mercado fechará em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    113.423,60
    +140,93 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.537,12
    +431,41 (+0,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,34
    +1,36 (+1,84%)
     
  • OURO

    1.752,50
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.328,64
    -21,29 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.077,08
    -24,44 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.448,54
    -6,94 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.960,58
    +162,58 (+0,47%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.154,75
    -164,00 (-1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2639
    +0,0083 (+0,13%)
     

Presença feminina em áreas de ciência e tecnologia ainda é baixa, diz pesquisa

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As áreas de ciência e tecnologia ainda estão longe de alcançar a equidade de gênero nas contratações em países da América Latina, segundo pesquisa do Cippec (Centro de Implementação de Políticas Públicas para Igualdade e Crescimento) com apoio da Salesforce.

Do total de profissionais trabalhando no ramo no Brasil, na Argentina e no México, apenas um terço, aproximadamente, são do gênero feminino, embora as mulheres sejam maioria nas universidades nos três países.

No Brasil, elas representam 34% dos graduados em C&T (ciência e tecnologia), mas são apenas 20% dos empregados especializados do setor.

Para as argentinas e mexicanas, o cenário é semelhante: as mulheres são 40% e 31% dos formados em seus países, mas representam 24% e 20% das empregadas, respectivamente, de acordo com a pesquisa.

Na empresa de recrutamento Revelo, a profissão mais buscada na área de tecnologia é a de desenvolvedor. Entre janeiro e agosto deste ano, a procura subiu mais de 50% ante igual período do ano passado.

No entanto, apenas 20% das pessoas que ocupavam este cargo no último semestre são mulheres, diz a empresa.

Em uma análise por nível, somente 29% das mulheres desenvolvedoras estavam em posições sênior, enquanto mais de 40%, em funções júnior.

A desigualdade também aparece no salário: a média fica entre R$ 6.400 e R$ 9.700, e apenas cerca de 30% das mulheres recebem pagamentos nesta faixa, segundo a Revelo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos