Mercado abrirá em 8 h 58 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,48
    -0,07 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.788,00
    +28,10 (+1,60%)
     
  • BTC-USD

    17.128,63
    +158,21 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,05
    +5,36 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.905,85
    +308,62 (+1,66%)
     
  • NIKKEI

    28.281,04
    +312,05 (+1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.038,50
    -3,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4058
    +0,0093 (+0,17%)
     

Preocupação de Lula com ambiente vai atrair investimento estrangeiro, diz investidor

SÃO PAULO, SP, 31.10.2022 - O presidente eleito Lula (PT) recebe a visita do presidente da Argentina, Alberto Fernández, no Hotel Intercontinental, em São Paulo, nesta segunda. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 31.10.2022 - O presidente eleito Lula (PT) recebe a visita do presidente da Argentina, Alberto Fernández, no Hotel Intercontinental, em São Paulo, nesta segunda. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A maior preocupação com o ambiente sob o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), eleito presidente neste domingo (30), em comparação com Jair Bolsonaro (PL), irá contribuir para que o Brasil volte a entrar no radar dos estrangeiros, diz João Paulo Pacífico, fundador da empresa de investimentos Grupo Gaia, que trabalha na captação de recursos voltados para o financiamento de projetos socioambientais.

"O ambiente hoje para o mundo é um tema central para as decisões sobre onde o dinheiro vai ser canalizado, embora não seja para a Faria Lima [região em São Paulo onde se concentram empresas do mercado financeiro], que é completamente desconectada do mundo", diz Pacífico.

Um exemplo nesse sentido, afirma, já veio apenas poucas horas após a confirmação da vitória do ex-presidente, com a Noruega tendo anunciado que retomará a ajuda financeira contra o desmatamento da Amazônia no Brasil, congelada durante a presidência de Bolsonaro.

Segundo declarações à AFP do ministro norueguês do Meio Ambiente, Espen Barth Eide, cerca de 5 bilhões de coroas norueguesas (US$ 482 milhões, ou R$ 2,5 bilhões) aguardam para serem utilizados no fundo de preservação da floresta amazônica.

Já o braço de gestão de ativos da Nordea, um dos maiores bancos dos países nórdicos, disse nesta segunda-feira (31) que pode suspender a proibição de compra de títulos do governo brasileiro depois da vitória de Lula.

A postura negligente de Bolsonaro com o ambiente, diz Pacífico, fez com que o Brasil se tornasse um pária no cenário global, e a expectativa é que o cenário mude completamente sob a condução do governo Lula a partir de 2023.

"Estou muito otimista. O Brasil nunca teve uma relação tão boa com os outros países como nos governos do Lula", afirma o executivo, lembrando do papel que a deputada federal eleita e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) teve durante a campanha do petista e da expectativa quanto a função que ela venha a desempenhar no novo governo.

Ele diz ainda que o fortalecimento de políticas públicas visando a redução da pobreza extrema e da fome irá ajudar no fomento da economia brasileira de uma forma mais ampla. "As pessoas entenderam que, se não tiver consumidor, não tem mercado."

Em setembro, Pacífico anunciou a doação do Grupo Gaia para uma ONG (Organização Não Governamental). Produções agrícolas do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e moradias sociais de alugueis acessíveis em São Paulo estão entre os projetos que foram financiados pelo intermédio da empresa.

O fundador da Gaia afirma que, nos últimos anos sob o governo Bolsonaro, a atuação do grupo representava uma espécie de "murro em ponta de faca, indo no sentido contrário ao do governo brasileiro". Agora, a expectativa é que o olhar mais voltado às classes menos favorecidas e ao ambiente passe a atrair um maior interesse de investidores estrangeiros para projetos que tenham como foco atacar essas questões, diz Pacífico.