Mercado fechará em 6 h 44 min
  • BOVESPA

    123.569,83
    -6,73 (-0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,99
    -1,57 (-2,23%)
     
  • OURO

    1.833,20
    +19,10 (+1,05%)
     
  • BTC-USD

    38.869,92
    +379,99 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    952,99
    +9,55 (+1,01%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.114,79
    +9,07 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.028,00
    -18,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1757
    +0,0102 (+0,17%)
     

Preocupação com variante delta do coronavírus derruba Bolsas pelo mundo

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 09.05.2015 - Gráfico das recentes flutuações dos índices de mercado no pregão da BM & F Bovespa, na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 09.05.2015 - Gráfico das recentes flutuações dos índices de mercado no pregão da BM & F Bovespa, na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A disparada de novos casos de coronavírus causados pela variante delta trouxe um dia de sangria para os mercados do Brasil e do mundo. O temor de que novos lockdowns sejam necessários e o risco de que a recuperação econômica demore a acontecer deixaram a maioria das Bolsas no vermelho e elevaram a busca pelo dólar.

No Brasil, o Ibovespa, principal índice acionário do país, encerrou a sessão desta segunda-feira (19) em queda de 1,24%, aos 124.394 pontos, no menor patamar desde maio. O volume financeiro da sessão somou R$ 29,2 bilhões.

Os papéis da Petrobras fecharam em baixa de 1,03% (ordinárias, com direito a voto) e de 1,57% (preferenciais, sem direito a voto), na esteira do tombo de 6,75% do petróleo Brent, após a Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) ter fechado um acordo para o aumento da produção -o que reforçou o viés negativo nos mercados em meio a preocupações quanto a um excesso de oferta da commodity.

Entre as piores quedas do índice estavam as ações de Americanas e Lojas Americanas, que despencaram 8,94% e 8,78%, respectivamente, no primeiro pregão após a conclusão da combinação dos negócios entre a empresa de comércio eletrônico B2W e sua controladora Lojas Americanas.

O tom negativo também predominou nas Bolsas americanas e europeias. Em Wall Street, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq encerraram a sessão desta segunda-feira (19) em quedas de 2,09%, 1,59% e 1,06%, respectivamente.

As ações europeias, por sua vez, fecharam em queda de mais de 2% e tiveram sua pior sessão em nove meses. Estendendo as perdas da semana passada, o índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 2,3%, com todos os setores no vermelho.

A maior queda foi registrada pela Bolsa de Milão, 3,34% no dia, aos 23.965 pontos. O índice PSI20, em Lisboa, registrou baixa de 2,70%, aos 4.894 pontos, enquanto o índice acionário alemão Dax caiu 2,62%, aos 15.133 pontos.

Em Londres, o índice Financial Times registrou queda de 2,34%, aos 6.844 pontos. Em Paris, o CAC-40 teve recuo de 2,54%, para 6.295 pontos, e em Madri o índice Ibex-35 teve baixa de 2,40%, aos 8.301 pontos.

O dólar, por sua vez, registrou alta na sessão desta segunda-feira (19), com a maioria dos investidores buscando proteção na moeda. A divisa encerrou o dia com ganhos de 2,61%, cotada em R$ 5,2500.

No pacote de moedas emergentes, o real ficou entre as divisas com piores retornos à vista, perdendo apenas para a platina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos