Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,29 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,50 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,14
    +0,99 (+1,45%)
     
  • OURO

    1.806,60
    -7,90 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    40.908,48
    +1.234,70 (+3,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.006,78
    +30,89 (+3,17%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,58 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.161,25
    +87,75 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1868
    +0,0685 (+1,12%)
     

Premier da Nova Zelândia critica projeto de filme sobre ataques a mesquitas

·2 minuto de leitura
Primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, durante uma reunião em Queensland em 31 de maio de 2021

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, criticou nesta segunda-feira (domingo, 13, no Brasil) um projeto de filme sobre sua resposta aos ataques a duas mesquitas em 2019, por considerar que seria inapropriado e mal focado.

O projeto cinematográfico apoiado pelos Estados Unidos, intitulado "They are us" (Eles somos nós), gerou repercussões negativas entre os muçulmanos na Nova Zelândia, que acreditam que ele promove a narrativa do "salvador branco".

Os ataques realizados por um supremacista branco armado contra duas mesquitas deixaram 51 mortos e 40 feridos, um assunto que permanece bastante sensível para muitos no país, de acordo com Ardern.

Ela disse que os cineastas não a consultaram sobre o filme, no qual a atriz australiana Rose Byrne interpretará a governante de centro-esquerda.

"Na minha opinião, que é uma visão pessoal, parece muito cedo e muito sensível para a Nova Zelândia", disse Ardern à TVNZ. “E embora haja muitas histórias que deveriam ser contadas em algum momento, não considero a minha uma delas. São as histórias da comunidade, das famílias”, afirmou.

Ardern foi elogiada por sua maneira empática e inclusiva de lidar com os ataques, o pior massacre da história moderna da Nova Zelândia.

O título do filme se refere a uma parte do discurso que ela proferiu após o ataque, quando prometeu apoiar a comunidade muçulmana e endurecer o controle de armas.

A Associação Nacional de Jovens Islâmicos reuniu 58 mil assinaturas em apoio a um apelo para suspender a produção do filme, cujo roteirista é o neozelandês Andrew Niccol.

Da mesma forma, o poeta muçulmano Mohamed Hassan disse que os cineastas deveriam se concentrar na comunidade que sofreu os ataques e não usá-los como pretexto para uma história positiva sobre Ardern.

O agressor Brenton Tarrant, um supremacista branco australiano, foi condenado no ano passado à prisão perpétua, a primeira vez que essa pena foi imposta na Nova Zelândia.

ns/hr/rbu/mas/gma/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos