Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,15
    -0,21 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.782,70
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.022,76
    -1.248,86 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,70
    -23,42 (-1,79%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.336,08
    -0,97 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.254,86
    +257,99 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.357,25
    -35,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2698
    -0,0043 (-0,07%)
     

Premiê do Japão confirma que reservas de petróleo podem ser liberadas para conter alta dos preços

·1 min de leitura
Refinaria de petróleo em Yokohama, Japão

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O Japão está considerando liberar petróleo de suas reservas para conter a alta dos preços da commodity pela primeira vez, informou a agência de notícias Kyodo neste sábado, enquanto o primeiro-ministro do país, Fumio Kishida, sinalizou disposição em conter os saltos nos preço do petróleo após um pedido dos Estados Unidos.

No entanto, o Japão pode ter dificuldades para justificar tal medida, já que, segundo suas próprias leis, o país pode liberar reservas apenas em tempos de restrições de oferta ou desastres naturais, mas não para reduzir os preços.

O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, que está enfrentando índices de aprovação em queda e preços mais altos da gasolina, pressionou algumas das maiores economias do mundo a considerarem a liberação de petróleo de suas reservas estratégicas para conter os altos preços da energia.

Os pedidos incluíram um pedido à China pela primeira vez para que considere a liberação de estoques de petróleo.

"Estamos considerando o que podemos fazer legalmente com base na premissa de que o Japão vai se coordenar com os Estados Unidos e outros países envolvidos", disse Kishida a repórteres.

"Queremos tirar uma conclusão depois de considerar detalhadamente a situação que cada país enfrenta e o que o Japão pode fazer."

O Japão usou suas reservas no passado para lidar com as consequências da Guerra do Golfo, no início de 1990, e com o terremoto e tsunami mortais em 2011.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos