Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    50.129,84
    +536,93 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Premiê espanhol vê "horas muito difíceis pela frente" à medida que cúpula da UE se aproxima

·1 minuto de leitura

ESTOCOLMO (Reuters) - O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, disse que vê "horas muito difíceis pela frente", enquanto visitava o premiê sueco, Stefan Lofven, para negociações antes da cúpula da União Europeia (UE) que visa chegar a um acordo sobre medidas de estímulo para impulsionar as economias europeias atingidas pela pandemia.

Os líderes da UE devem se reunir ainda nesta semana para discutir os planos de estímulo, mas a expectativa é de que sua primeira cúpula presencial desde o início das quarentenas em março seja repleta de divisões.

A Suécia, um dos "Quatro Frugais" do bloco, quer um fundo de recuperação que distribua empréstimos em vez de subsídios, enquanto também busca um orçamento menor da UE a longo prazo, posições que colocam o país contra nações como a Espanha.

"Temos opiniões diferentes sobre a resposta à crise, mas compartilhamos um objetivo comum", disse Sánchez em entrevista coletiva na residência de verão do governo sueco em Harpsund. "Se adiarmos a resposta, adiaremos a recuperação e a crise poderá piorar. Todos temos que fazer alguns sacrifícios para chegar a um acordo."

Os líderes do bloco realizaram uma série de reuniões individuais para convencer as econômicas Suécia, Holanda, Áustria e Dinamarca a abandonar sua oposição à proposta do fundo de recuperação de 750 bilhões de euros.

Questionado sobre as perspectivas de um acordo em julho, Lofven disse: "É complicado, precisamos reconhecer que é complexo e será difícil, mas não é impossível".

De acordo com a proposta da Comissão --apoiada por Alemanha e França, além de países do sul, como Espanha e Itália, que buscam fundos para reconstruir suas economias atingidas--, dois terços do fundo de recuperação seriam na forma de subsídios.

(Reportagem de Niklas Pollard e Anna Ringstrom em Estocolmo e Nathan Allen, Inti Landauro e Belen Carreno em Madri)