Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.966,06
    +13,70 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Prejuízo do GPA mais que triplica no 3º tri

SÃO PAULO (Reuters) - O GPA, dono da rede Pão de Açúcar, viu seu prejuízo aumentar no terceiro trimestre, impactado parcialmente por um resultado financeiro negativo, enquanto executa a restruturação de seus negócios.

O GPA registrou prejuízo líquido de 288 milhões de reais de julho a setembro, ante resultado negativo de 89 milhões no mesmo período de 2021o, anunciou o grupo controlado pelo francês Casino nesta quinta-feira.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado caiu 2,5% na mesma comparação, para 660 milhões de reais. A margem recuou de 7,1% para 6,3%.

O GPA passa por restruturação de seus negócios após decidir no ano passado sair do segmento de hipermercados, no qual operava pela bandeira "Extra Hiper", enquanto luta para enfrentar o efeito de inflação no consumo.

Em março, a empresa trouxe Marcelo Pimentel, ex-presidente da Marisa, para comandar as operações, com foco na revisão dos sortimentos de produtos disponíveis, de modo a reduzir estoques, ao mesmo tempo que mira baixar a falta de produtos nas gôndolas.

"Entramos nesse quarto trimestre com uma tendência melhor nas vendas", disse Pimentel no relatório de resultados, acrescentando que a empresa já encerrou os estudo para o sortimentos ideal, principalmente para a bandeira Pão de Açúcar. Ele destacou a elevação da participação de perecíveis já nos números do terceiro trimestre.

O GPA havia divulgado há duas semanas prévia operacional com receita bruta no Brasil de 4,3 bilhões de reais para o trimestre e crescimento no conceito mesmas lojas de 6,6% ante mesmo período de 2021, excluindo em postos de combustíveis. A marca Pão de Açúcar cresceu 5,5% nas vendas mesmas lojas.

No online, o indicador GMV apontou vendas de 409 milhões de reais, crescimento de 8% contra o mesmo período de 2021, quando excluídas as vendas de hipermercados na base comparativa.

"Esse crescimento é explicado por uma série de melhorias, entre elas, aumento dos horários de entrega de mesmo dia, nova parceria com o iFood para entrega rápida presente em 30 lojas, além de melhorias operacionais para maior eficiência no 'picking' dos pedidos", disse o GPA.

O resultado financeiro líquido negativo em 180 milhões de reais, 8% pior frente ao mesmo período de 2021, pesou na última linha do resultado, refletindo custo de dívida maior, variação cambial e custo de antecipação de recebíveis.

As despesas com vendas gerais e administrativas do grupo cresceram 8,2%, para 1,9 bilhão de reais, mas o indicador como percentual da receita líquida diluiu 0,1 ponto percentual.

O Grupo Éxito, operação do GPA na Colômbia, Argentina e Uruguai, teve receita bruta de 6,9 bilhões de reais no trimestre, crescimento de 8,8%.

O GPA, que além do Pão de Açúcar opera marcas como James Delivery e Mercado Extra, anunciou no início de setembro uma futura segregação da marca Éxito por meio de uma redução de capital.

(Por André Romani e Alberto Alerigi Jr.)