Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.327,95
    -31,30 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Prefeituras de São Paulo e Rio de Janeiro querem barrar Uber Moto

A Uber anunciou o lançamento do serviço de mototáxi em São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ) nesta quinta-feira (5). O Uber Moto seria uma nova forma de passageiros pagarem menos nos deslocamentos. O que a empresa não contava é que as prefeituras das duas maiores capitais do Brasil se posicionariam contra a empreitada imediatamente.

Em São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes solicitou ao Comitê Municipal de Uso Viário (CMUV) que notifique a empresa pedindo a imediata suspensão da atividade. A atividade de mototáxi não é regulamentada na capital, portanto o oferecimento deste serviço seria ilegal — a Uber se ampara em uma liminar da Justiça estadual para atuar.

A Uber diz que o serviço teria tarifas até 25% mais baratas em comparação com a modalidade Uber X, que engloba o transporte por carros de passeio básicos. Mesmo com a confusão, muitos usuários conseguiram solicitar uma moto pelo aplicativo nas duas capitais. Como a modalidade foi lançada hoje, ainda há poucos condutores cadastrados, então está mais difícil conseguir uma corrida.

Confusão do Uber Moto em São Paulo

O mototáxi é muito popular na periferia e em pequenas cidades, mas a Uber quer expandi-lo para grandes capitais (Imagem: Reprodução/Migalhas)
O mototáxi é muito popular na periferia e em pequenas cidades, mas a Uber quer expandi-lo para grandes capitais (Imagem: Reprodução/Migalhas)

O governo diz que a novidade preocupa principalmente devido ao elevado número de acidentes. Os motociclistas são a categoria que mais morre no trânsito agitado de São Paulo.

A Uber afirma que a modalidade de mototáxi é regulamentada por lei federal, mais especificamente pela Política Nacional de Mobilidade Urbana. "A norma federal que regulamenta o transporte individual privado de passageiros — e que estabelece os limites para a regulamentação pelos municípios — não faz distinção quanto ao tipo de veículo", se manifestou a empresa por nota.

Muito popular em pequenos municípios e cidades menores, o serviço de mototáxi enfrenta uma longa batalha em São Paulo. Na periferia da cidade, motoristas oferecem o transporte abertamente para as pessoas, que acabam aceitando pela demora nas linhas de ônibus ou pela falta de transporte adequado.

Em 2018, o então prefeito Bruno Covas sancionou uma lei proibindo a realização de transporte remunerado de passageiros em motocicletas. O Tribunal de Justiça de SP considerou a lei inconstitucional e liberou a atividade, que segue sem regulamentação.

Rio de Janeiro também por dificultar vida da Uber mototáxi

No Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes usou seu perfil oficial no Twitter para mandar o recado: "Nem tentem aqui". Em anexo ao tuíte, estava uma matéria do jornal Folha de S.Paulo sobre a chegada do Uber mototáxi na capital paulistana.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em resposta ao prefeito carioca, usuários criticaram a "ameaça" e disseram que o serviço beneficiaria os mais pobres. O vereador Pedro Duarte ressaltou que no Rio o serviço foi legalizado pelo próprio Paes, por isso não caberia ao governo local impedir a intermediação feita por um aplicativo.

Várias respostas dos usuários fizeram menção ao BRT sempre lotado, ao sucateamento da frota de ônibus e aos elevados preços praticados pelos taxistas. Os comentários também lembram para a retirada de linhas de transporte público e até do fornecimento ilegal do serviço de mototáxi pela milícia carioca.

Até o momento, não há informações oficiais se a Prefeitura do Rio de Janeiro adotará alguma medida legal contra a Uber. A Uber ainda não se manifestou sobre os próximos passos, caso o serviço seja barrado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: