Mercado abrirá em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,34
    +0,43 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.857,40
    -22,20 (-1,18%)
     
  • BTC-USD

    39.253,65
    +3.203,07 (+8,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,71
    +35,89 (+3,81%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.159,20
    +25,14 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.047,00
    +52,75 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1984
    +0,0058 (+0,09%)
     

Prefeitura do Rio diz não ter visto irregularidades em festa para 500 pessoas no Copacabana Palace

·3 minuto de leitura

RIO — A prefeitura do Rio não encontrou irregularidades em festa que aconteceu no Copacabana Palace, na Zona Sul, na noite desta sexta-feira. A assessoria do cantor Gusttavo Lima, que se apresentou na ocasião, informa que o evento estava preparado para receber cerca de 500 convidados. Contudo, numa vistoria realizada entre 22h30 e 23h, a Secretaria de Ordem Pública (Seop) diz ter encontrado 100 pessoas.

Segundo o portal "Metrópoles", Ludmilla e Mumuzinho também participaram da festa, que teria sido organizada pela promoter Carol Sampaio. Uma foto publicada pelo "Metrópoles" mostra que houve aglomeração na porta de trás do hotel, onde os convidados foram recepcionados. Isso representa uma infração às atuais medidas restritivas da prefeitura do Rio contra a Covid-19, que proíbem a formação de filas em frente a casas de festas. A prefeitura informa que, durante a fiscalização, não deparou com aglomerações na recepção dos convidados.

O decreto da prefeitura autoriza a atividade desses estabelecimentos, mas com lotação limitada a 40% da capacidade máxima em ambientes fechados e 60% em ambientes abertos. A Seop e o Copacabana Palace não informaram a capacidade máxima do espaço onde a festa aconteceu. Na tarde deste sábado, Carol Sampaio publicou um vídeo no Instagram em que afirma que o local tem capacidade para receber 1800 pessoas, e que o evento teve lotação máxima de 480.

A promoter nega que tenha confeccionado a lista dos convidados do evento e diz que a organização da festa foi feita por um dos braços de sua empresa. Segundo ela, o evento cumpriu com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para confraternizações do tipo.

Em nota, o Copacabana Palace informa que, "para realização do evento do dia 14 de maio nas dependências do hotel, foram cumpridas todas as exigências e obrigações legais estabelecidas pelo decreto n° 48.845, publicado em 7 de maio de 2021".

O hotel reforça para seus contratantes externos que o comprometimento com as recomendações das autoridades "é um pré-requisito para que os eventos aconteçam".

"Adotamos um protocolo de prevenção e combate à Covid-19 de acordo com as regras vigentes, de modo que a saúde e segurança de hóspedes, funcionários e clientes são nossa maior prioridade", diz a nota. O hotel não se manifestou sobre as imagens de filas na recepção.

Embora não tenha flagrado infrações, a Seop ressalta que, "caso surjam evidências de descumprimento ao decreto vigente, as autuações podem ser feitas a posteriori". A pasta não deu detalhes sobre o alvará e a capacidade máxima do estabelecimento.

Na coletiva de divulgação da nova edição do boletim epidemiológico da cidade, nesta sexta-feira, o prefeito Eduardo Paes comentou os boatos em torno da realização da festa.

— Não posso comentar uma festa que não sei se vai se realizar. Se for uma festa feita fora das regras, pode ser no Copacabana Palace ou em qualquer lugar, a Secretaria de Ordem Pública, o secretário Brenno, vai fiscalizar e interromper. Existem as regras e existe a possibilidade de fazer festa, sim, eventos e tal, mas tem lá a lotação máxima, um conjunto de critérios estabelecidos na resolução para o momento que a gente vive — disse.