Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    56.937,50
    +2.519,55 (+4,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,82
    +53,52 (+3,81%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.483,50
    -52,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4265
    -0,1128 (-1,72%)
     

Prefeitura de Niterói decide implementar barreiras sanitárias nos principais acessos à cidade a partir desta quarta

Luã Marinatto
·3 minuto de leitura

O prefeito de Niterói, Axel Grael (PDT), decidiu implementar barreiras sanitárias nos principais acessos à cidade da Região Metropolitana do Rio a partir desta quarta-feira. A medida vem em meio a outras ações para tentar conter o avanço da pandemia da Covid-19 no município. Na última sexta-feira, na contramão de outras cidades do estado - incluindo a capital, que relaxou algumas normas - a Prefeitura de Niterói já havia ampliado as restrições em vigor, que valem até o dia 18 de abril.

A decisão foi tomada após uma reunião entre o prefeito e o comitê científico da cidade, na tarde desta segunda-feira. As barreiras ficarão espalhadas em alguns dos mais importantes de acesso ao município, tanto na divisa com São Gonçalo, quanto na com Maricá. O bloqueio também acontecerá na saída da Ponte Rio-Niterói, que liga a cidade à capital do estado.

A princípio, as barreiras sanitárias terão medição de temperatura, e impedirão o acesso apenas de quem apresentar febre, um dos sintomas da Covid-19. O prefeito Axel Grael vai confirmar a medida em uma live nas redes sociais ainda na noite desta segunda-feira.

O decreto publicado pela Prefeitura de Niterói no último sábado manteve suspensos o atendimento presencial de bares, restaurantes, boates, museus, bibliotecas, cinemas, teatros, salões de beleza, barbearias, clubes, quiosques e academias. O banho de sol e de mar nas praias também seguiram proibidos.

O novo texto, porém, aumentou o grau das restrições em alguns pontos. A prefeitura também passou a vetar, a partir desta segunda-feira, que restaurantes funcionem no sistema take away, quando o cliente passa no estabelecimento para buscar a compra: agora, somente poderão trabalhar com delivery. O decreto prevê ainda um maior controle nos supermercados, que agora só poderão vender produtos essenciais, como alimentos, bebidas e produtos de higiene e limpeza.

Sobrecarga por vizinhos

Um estudo do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), detalhou o impacto de cidades vizinhas no sistema de saúde de um município que recebe os pacientes de fora. Registros do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), de abril de 2020 a fevereiro de 2021, por exemplo, indicam que pouco menos de um quinto dos municípios (1.029, ou 18,5%) conseguiram atender a mais de 10% dos casos de seus habitantes com necessidade de UTI ou de unidades de cuidados intermediários. Estas são estabelecimentos de saúde com respiradores e suporte para encaminhamento para UTI.

Com base em dados como esses, o estudo destaca que a regra na pandemia foi o brasileiro com Covid precisar se deslocar de sua cidade para conseguir atendimento. O deslocamento é um fator de agravamento da doença, além de camuflar focos da pandemia, diz o coordenador do trabalho, Diego Xavier, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde e do Monitora Covid-19.

— Um prefeito não consegue resolver nada. É preciso ação coordenada em nível estadual e nacional. Governadores precisam trabalhar coordenando seus municípios e em conjunto com os estados conectados ao seu — diz Xavier.

Exemplos são Duque de Caxias e São Gonçalo, “exportadores” de pacientes com Covid-19 para Rio e Niterói, respectivamente, revelam dados do Sivep-Gripe analisados por Xavier, referentes ao período de 3 de março de 2020 a 2 de fevereiro de 2021.

— O município do Rio internou mais pacientes de UTI de Duque de Caxias do que a própria cidade de Caxias. Quase metade dos pacientes de UTI de São Gonçalo foram para Niterói, que absorveu também grande parcela dos casos de Covid-19 de menor complexidade do município vizinho — salienta Xavier.