Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    36.286,70
    -2.611,71 (-6,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Prefeitura e organização social lançam projeto ambiental que envolverá todos os alunos e professores da rede municipal

·4 min de leitura

“Por favor, não jogue lixo na rua, porque quando chove a chuva leva o lixo para o nosso Rio Carioca, e os peixes comem e falecem”, dizia o cartaz feito a muitas mãos por crianças de 7 anos, com a ajuda da professora Sarah Ligia Coelho Machado, da Escola Municipal Guararapes Cândido. O painel, ilustrado com desenhos, foi colocado no muro do colégio e replicado por ruas e vielas das comunidades do Cosme Velho. Fez parte de uma iniciativa piloto de educação e conscientização ambiental envolvendo alunos e professores de 27 unidades públicas e privadas na área da bacia do Rio Carioca.

A experiência, deflagrada em 2015, apresentou resultados promissores e a prefeitura, em parceria com a Planetapontocom — organização social que atua no desenvolvimento de soluções para a educação —, lança hoje o projeto “Esse Rio é Meu”. O programa envolverá todos os 40 mil professores e 620 mil estudantes das cerca de 1.500 unidades da rede municipal, buscando melhorar as condições dos 267 cursos d’água da cidade, ao longo de dois anos.

— Para os gestores, criamos uma série de conteúdos. Com as crianças, tudo depende de onde estudam e das faixas etárias. Mas as primeiras atividades serão de diagnóstico. Elas vão conhecer o rio no trecho onde estão. Depois, vão identificar problemas: se tem esgoto, lixo, se as margens estão ocupadas. Esse processo de reconhecimento tem um conteúdo que orienta. Nas salas de aula, os alunos vão olhar para os recursos disponíveis e ver o que querem e o que podem fazer para resolver esses problemas — explica Silvana Gontijo, presidente da Planetapontocom. — As crianças vão ser estimuladas a serem protagonistas desse processo de transformação.

Segundo Silvana Gontijo, os trabalhos serão interdisciplinares, ou seja, permeados pelas diversas matérias da grade escolar:

— Ao propor uma solução para um problema de um rio, o aluno estará aprendendo língua portuguesa, geografia, ciência, história, matemática... Todos os conteúdos curriculares estarão associados ao processo de recuperação e de renaturalização de um rio.

Moradora de Campo Grande e aluna do 4° ano da Escola Municipal Dom Meinrado, Melanie Damásio da Silva, de 10 anos, está ansiosa pelo início do projeto:

— Vai ser legal. Vou ver de perto o Rio Cabuçu. Costumo passar de carro. A pé, é difícil. Acho que jogam muito esgoto nele. Lixo, não tenho certeza.

Metade das escolas da rede começa as atividades no próximo ano letivo. Para as demais, o projeto chega em 2023. No momento, passam por treinamento professores de 125 unidades que ficam próximas às bacias do Piraquê Cabuçu (Zona Oeste) e da Pavuna; e dos rios Comprido, Guandu, Maracanã, Piraquara (Realengo), Carioca, Macacos (Jardim Botânico) e Rainha (Gávea). Os pontos foram escolhidos como prioritários por comitês especializados.

Quanto ao Rio Carioca, Silvana lembra que o curso d’água ainda é muito poluído, mas um trecho — entre a Rua Alexandrino e a Favela dos Guararapes, até entrar debaixo da terra — está em melhores condições por conta do trabalho piloto feito com as crianças:

— Aquilo era um lixão, você não via a água do rio. E foi limpo. Não só de resíduos sólidos, houve a coleta do esgoto residencial que foi jogado para a rede. Isso foi um trabalho realizado a partir dessa pressão feita.

Para a professora Sarah, que participa da iniciativa desde 2015, o maior ganho foi a conscientização das crianças, que influenciam seus pais. O programa, que foi paralisado durante a pandemia, retomou lentamente, mas ganha força no próximo ano letivo.

— Nossos alunos entenderam que o rio vai parar na Praia do Flamengo, que eles frequentam, e que é preciso cuidar dele — diz Sarah.

Mais uma consequência da ação no Carioca foi o tombamento do rio — que deu nome a quem nasce da cidade — pelo Instituto Estadual de Patrimônio Cultural (Inepac), em 2019.

Para o secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere, o novo projeto é fundamental para o cumprimento de metas assumidas pela prefeitura:

— Na Década de Restauração da ONU (2021-2030), a cidade mostra que está comprometida com a preservação de seus ativos ambientais. Com o projeto “Esse Rio é Meu”, as novas gerações vão construir os caminhos para a proteção das águas da cidade.

O secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, aposta em parcerias que vão além dos muros das escolas:

— O novo projeto chega para somar e reforçar a importância da mobilização e da busca por soluções de forma colaborativa, com a participação das comunidades escolares e suas famílias. Iniciativas que estimulem a conscientização ambiental de nossos alunos sempre serão apoiadas e incentivadas pela secretaria.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos