Mercado fechará em 3 h 52 min
  • BOVESPA

    121.520,79
    +814,88 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.256,32
    +427,01 (+0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,07
    +1,25 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.840,00
    +16,00 (+0,88%)
     
  • BTC-USD

    51.209,65
    +1.111,12 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,82
    +76,26 (+5,61%)
     
  • S&P500

    4.164,26
    +51,76 (+1,26%)
     
  • DOW JONES

    34.294,07
    +272,62 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.329,00
    +228,75 (+1,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0261 (-0,41%)
     

Prefeitura busca local para instalar busto de Deborah Mendes de Moraes

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — Morador do Cosme Velho, o arquiteto e urbanista Thoni Litsz mora hoje numa casa centenária, no final da Rua Senador Pedro Velho, que passou por uma minuciosa reforma. Durante o período de obras, Litsz adquiriu o busto de Deborah Bentes Mendes de Moraes, a antiga moradora do imóvel, que é hoje um misto de misto de galeria de arte, centro cultural e espaço para oficinas de pintura e restauro. Em março, o arquiteto se reuniu com representantes da prefeitura para oferecer o tributo. A proposta dele é a instalação do busto no Largo do Boticário, onde a homenageada morou de 1896 a 1920, até se casar, no imóvel no número 20.

Litsz explica que Deborah foi mulher do último prefeito do Estado da Guanabara, o marechal Ângelo Mendes de Moraes. Segundo pesquisas, ela abria sua casa na primeira sexta-feira de cada mês para dar espaço à cultura. Em seus eventos, novos artistas tinham a chance de pintar, expor, pintar, vender e comercializar suas obras.

— Estamos numa época em que mulheres esquecidas, como Deborah, ganham voz. Por que não darmos uma retribuição a quem inspirou, durante anos, a cultura? — questiona Litsz.

Anna Laura Secco, secretária municipal de Conservação, diz que os monumentos são um respiro na paisagem carioca:

— Com a volta do Prefeito Eduardo Paes, aumentou o número de pessoas querendo doar obras para a cidade. Por exemplo, depois de três anos, a estátua de Ibrahim Sued voltou à Praia de Copacabana, graças à iniciativa da Bebel Sued, filha dele, que teve a supervisão da Vera Dias, responsável pela gerência de Monumentos e Chafarizes. Também teremos, em breve, uma peça doada pelo Consulado da Rússia, que será instalada na Zona Sul. É a população resgatando sua autoestima e constatando que, juntos, faremos o Rio voltar a dar certo.

Vera Dias, responsável pela gerência de Monumentos e Chafarizes, explica que o acervo de monumentos da cidade do Rio de Janeiro é imenso. São 1.500 obras ao todo.

— Contamos com a participação da sociedade para nos ajudar a preservar e manter essas peças. No caso do busto de Deborah Mendes de Moraes, a ideia é que ele fique no Largo Professor Silva Melo, no Cosme Velho, perto da casa onde ela morou. Mas isso depende de aprovação do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), porque o monumento não pode interferir na paisagem da cidade — acrescenta.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)