Mercado abrirá em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,08
    +0,80 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.834,40
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    56.171,88
    +426,67 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.522,57
    +1.279,89 (+527,40%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.970,83
    +22,84 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.262,75
    -83,25 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3333
    -0,0121 (-0,19%)
     

Prefeito Bruno Covas recebe alta da UTI e fica em observação, anuncia equipe médica

ARTUR RODRIGUES
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), recebeu alta para sair da UTI após passar por procedimentos para estancar um sangramento no estômago, informou a equipe médica dele nesta terça-feira (4).

Nesta terça, Covas foi liberado para ser transferido a uma unidade semi-intensiva do Hospital Sírio-Libanês, o que aconteceria assim que um quarto fosse liberado. "Também é um local de uma maior vigilância e ele precisa, por conta do sangramento que teve", disse o infectologista David Uip, um dos médicos de Covas.

​O prefeito havia sido internado na Unidade de Terapia Intensiva do hospital e intubado.

Covas foi extubado na noite desta segunda-feira (3), após o sangramento na cárdia, uma região do estômago, ter sido estancado com procedimento endoscópico de hemostasia. Segundo os médicos de Covas, o procedimento foi bem-sucedido. O prefeito também recebeu uma transfusão de sangue.

Segundo os médicos, Covas foi intubado como estratégia para evitar que os coágulos fossem aspirados e e contaminassem a via aérea.

A equipe médica definiu o sangramento do prefeito como um evento pontual, que obrigou a equipe a fazer "uma mudança de rota".

"Onde tinha a lesão tumoral, ao longo do tratamento essa lesão regrediu e fez uma úlcera e cicatriz, e foi esse ponto que sangrou", disse o médico Tulio Pfiffer, explicando o motivo do sangramento.

Segundo ele, ainda é cedo para avaliar como o episódio afeta a doença. "É muito cedo para concluir se isso tem uma relação positiva ou negativa em relação à evolução da doença", disse.

Nesta tarde, o sangramento havia cessado há 28 horas, segundo a equipe do prefeito. Covas foi encaminhado para a realização de uma tomografia.

Ainda não se sabe quando Covas retomará os tratamentos de quimioterapia e imunoterapia, que foram interrompidos. Isso depende da recuperação do sangramento.

Por enquanto, Covas não tem previsão de alta e recebe alimentação intravenosa para recuperar o seu peso. "Além de ganhar peso, ele precisa de uma alimentação rica em várias coisas, por exemplo proteína. Isso ajuda a recuperar o peso e colabora muito na recuperação dele", disse Uip.

A equipe do prefeito disse que ele está descontraído, bem-humorado e fazendo piadas.

O prefeito já brincou que sua grande preocupação é o jogo do Santos contra o The Strongest pela Libertadores.

Um dos membros da equipe, o médico David Uip afirmou não estar discutindo cuidados paliativos. Ao comentar texto de análise publicado pelo jornal Folha de S.Paulo que citou a possibilidade de cuidados paliativos no caso de Covas, Uip ainda disse ainda considerar deselegante e antiético que outros médicos opinem à distância sobre o assunto.

"Tratar desse tema, neste momento, que são os recursos paliativos, não é oportuno, não é adequado e demonstra pouca afetividade. Nunca esqueçam que por trás de uma doença tem um doente", disse Uip.

Covas está em tratamento de um câncer que originou-se na cárdia e depois afetou também o fígado. Ele iniciou o tratamento em 2019 e vinha evitando, desde então, afastar-se de suas funções na prefeitura, limitando suas licenças médicas.

No domingo, o prefeito decidiu se licenciar por 30 dias do comando da Prefeitura de São Paulo. Neste período, o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), chefiará o Executivo.