Mercado abrirá em 31 mins
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,88
    -1,02 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.920,00
    -19,20 (-0,99%)
     
  • BTC-USD

    22.879,69
    -359,59 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    518,72
    -19,15 (-3,56%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.714,79
    -70,08 (-0,90%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.891,00
    -77,00 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5090
    -0,0380 (-0,69%)
     

Preconceito no mundo do esporte reflete a discriminação e a intolerância social

Estamos em época de Copa do Mundo e vale lembrar que o preconceito no mundo dos esportes escancara, de tempos em tempos, a discriminação racial, social, étnica e de gênero nos gramados, nas quadras e nas competições brasileiras e em outros países. E o evento esportivo mais grandioso já começou com inúmeras atitudes e situações em que somos colocados frente a frente com pensamentos e atitudes de intolerância.

Na verdade, as polêmicas envolvendo o Catar, escolhido como país-sede há dez anos, começaram bem antes de a bola rolar em campo, com críticas a um governo não democrático, leis que desafiam os direitos humanos, homofobia e operários trabalhando em condições análogas à escravidão nas construções para o evento — o britânico The Guardian relevou que, até junho de 2021, mais de 6 mil trabalhadores imigrantes morreram após o início das obras.

Os exemplos de intolerância e discriminação alternam locais e personagens, vítimas, acima de tudo, da incompreensão e do desrespeito pelo ser humano. No Catar, em meio às restrições contra cidadãos da comunidade LGBTQIA+, os jogadores planejavam usar uma braçadeira com a mensagem “One Love” e as cores do arco íris. A resposta da Federação Internacional de Futebol (FIFA) veio em duas cores: no verde, fazendo uma alusão a punições financeiras e, no cartão amarelo para os capitães que entrarem em campo com o símbolo.

Até as cores da bandeira de Pernambuco já foram alvo de polêmica: o jornalista Victor Pereira, da TV Nova (afiliada da TV Cultura no estado), postou em rede social ter sido abordado por pessoas se identificando como policiais, que confundiram a bandeira do estado com a da causa LGBTQIA+, símbolo proibido no país, onde ser homossexual é ilegal e passível de prisão.

Tratar o preconceito com a devida importância e clareza não deve se restringir ao futebol (paixão nacional) e a atitudes de intolerância que estamos acompanhando no Catar, mas sim incluir os atletas profissionais das mais variadas modalidades. Mais do que nunca, nossos olhares e corações devem estar ligados nas telinhas e nos bastidores das competições, nas dinâmicas de comportamento, relacionamento e posicionamento dos atletas, de seus colegas, dos times, das confederações, das federações, das marcas patrocinadoras e, claro, da própria sociedade.

Qual a relevância da raça, da etnia, da origem social e do gênero em dribles bem-feitos, gols incríveis, fintas espetaculares, saques perfeitos, movimentos acrobáticos, arremessos poderosos e cestas que desafiam a gravidade? Na Copa, em jogos olímpicos e em outras competições, os atletas almejam resultado, vitória, espírito de equipe. A nós, e também a eles, cabe ainda a emoção, a surpresa, o deslumbramento frente ao desempenho.

Combatendo preconceitos em competições esportivas

(Imagem: rawf8/Envato)
(Imagem: rawf8/Envato)

Para lidar com situações de preconceito durante a Copa, a FIFA estabeleceu multa de 20 mil francos suíços, entre outras penalidades, para associações que cometerem atos discriminatórios. Por aqui, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) criou uma comissão de combate ao racismo e violência, formada por 46 membros, que representam mais de 30 entidades, entre elas a própria FIFA, a Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), as federações estaduais, os clubes e o Ministério Público. A representação dos atletas fica a cargo do ex-goleiro Aranha, vítima de preconceito durante a carreira e que se tornou ativista na luta contra o racismo.

E antes mesmo de decidir os países anfitriões de futuras edições das olimpíadas, o Comitê Olímpico Internacional (COI) aprovou que os direitos humanos serão levados em conta nos processos relacionados à administração, cadeia de suprimentos da entidade, representação de atletas e esporte seguro e inclusivo. O exemplo do COI poderia ter sido seguido pela FIFA ao avaliar candidaturas de países como o Catar.

Para alcançar esse objetivo, o COI estabeleceu três pilares para 2030: respeito aos direitos humanos, por meio de políticas e práticas do comitê; melhores práticas de direitos humanos na seleção de anfitriões e medidas proativas relacionadas a esses direitos por parte de Comitês Olímpicos Nacionais (CONs) e Federações Internacionais (FIs). A frase: “A missão abrangente do Movimento Olímpico é contribuir através do esporte para um mundo melhor”, de Thomas Bach (Presidente do COI), é inspiradora e dá o tom que precisamos.

Apesar dessas iniciativas importantes, os retrocessos persistem. A Federação Internacional de Natação (Fina) anunciou que mulheres transgênero, que fizeram transição após os 12 anos de ida (puberdade masculina), não podem participar de competições internacionais. O debate sobre essa questão permeia questões científicas e a desconstrução de um preconceito secular pautado na binaridade.

Em relação à ciência, a alegação é de que os fatores biológicos e a socialização por gênero masculino, durante boa parte da vida, daria vantagem fisiológica a atletas trans e, por isso, seria prejudicial ao esporte feminino. A respeito do aspecto da binaridade, a divisão entre masculino e feminino emperra a inclusão de pessoas cuja identidade de gênero independe daquela do sexo biológico, como as pessoas trans que desejam uma carreira no esporte. É preciso resolver a equação entre assegurar os direitos fundamentais e respeito às diferenças com o equilíbrio nas práticas esportivas.

E o amplo espectro do preconceito, da discriminação e da intolerância deve ser enfrentado às claras pela sociedade e pelos governos. O Estado deve garantir e assegurar direitos iguais a todos, além de coibir e punir atos discriminatórios e atitudes ainda mais radicais e extremistas cometidas por pessoas ou grupos intolerantes. À sociedade, cabe o entendimento, a compreensão e a conscientização em prol dos direitos daqueles que sofrem discriminação, não apenas no mundo dos esportes, mas em seus lares, escolas, ambientes de trabalho, lazer e diversão, assim como em inúmeros locais de convivência social.

O respeito ao ser humano, em suas mais diversas formas de existência e expressão, é um dos principais desafios da sociedade contemporânea e para um futuro justo e igualitário da humanidade. Aprendemos ao longo da vida sobre as atrocidades cometidas por ignorância, preconceito e motivos torpes. Não podemos, em hipótese alguma, contribuir ou permitir que tais situações voltem a se repetir.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: