Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.422,45
    -279,55 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Preço subiu: por que o arroz e o feijão ficaram mais caros?

·2 min de leitura
Em setembro, o arroz e feijão vendidos no Rio de Janeiro passaram a ser isentos de ICMS.
Em setembro, o arroz e feijão vendidos no Rio de Janeiro passaram a ser isentos de ICMS.
  • Principal motivo é a desvalorização do real em relação ao dólar;

  • Em 1 ano, preço do arroz subiu 60,8% , e do feijão chegou a quase nove pontos percentuais a mais (69,1%);

  • Em setembro, os produtos vendidos no Rio de Janeiro passam a ser isentos da cobrança do ICMS.

Acompanhamentos 'principais' da mesa brasileira, o feijão e o arroz estão nas categorias de grãos e leguminosas mais caras, com alta acumulada há mais de um ano e reajustes bem acima da inflação. Especialistas comentam que o motivo desse aumento é a desvalorização do real em relação ao dólar, que se intensificou durante a pandemia da covid-19. 

"Esse movimento do câmbio induz um aumento nas exportações, sobretudo dos cereais e das carnes, favorecendo a redução da oferta interna e pressionando os preços", explica Matheus Peçanha, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas.

Em vários dados referentes ao preço da cesta básica mensal, os dois grãos puxaram o preço para as alturas por conta do custo elevado. 

Os preços do arroz e do feijão — os principais produtos do prato feito do brasileiro — subiram mais de 60% nos últimos 12 meses, de acordo com levantamento do FGV IBRE. O reajuste ficou 10 vezes acima da inflação média de 6,1%, apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Getulio Vargas (IPC/FGV). O arroz subiu (60,8%), no período pesquisado, e o feijão quase nove pontos percentuais a mais (69,1%).

Leia também:

De acordo com a pesquisa, a cesta do prato feito (composta por 10 itens) apresentou elevação média de 23,2%. O número é quase o dobro de todo o grupo Alimentação do IPC/FGV (11,8%), que engloba os gêneros alimentícios (alimentos comprados no mercado) e a alimentação fora de casa (em bares e restaurantes).

Entre os dez principais alimentos que compõem o prato feito, o feijão preto e o arroz foram os que tiveram o aumento mais salgado, de 69,7% e 60,8%, respectivamente.

Rio de Janeiro isenta ICMS dos produtos

Em setembro, o arroz e o feijão vendidos no Estado de Rio de Janeiro passaram a ser isentos da cobrança do Imposto de Circulação sobre Mercadorias e Serviços (ICMS). Até o momento os produtos eram taxados em 7%. A mudança na tributação está prevista na lei sancionada pelo governador Cláudio Castro, e publicada no Diário Oficial desta sexta-feira (dia 3). O texto também estabelece isenção do ICMS para os serviços que envolvem o transporte estadual e intermunicipal dos dois produtos.

O arroz aumentou 37%, em julho deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Já o feijão preto avançou 18,46%, no período. Os dados são do Ibre/FGV.

Com a nova legislação, a carga tributária que incide sobre o feijão e o arroz fica equiparada à do estado de São Paulo. A mudança na taxação dos principais itens que compõem o prato dos brasileiros foi aprovada na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no dia 12 de agosto.

O governador Cláudio Castro avalia que a medida pode ajudar a baratear o custo dos alimentos e ajudar famílias mais vulneráveis

– A parcela que o estado deixará de arrecadar vai se transformar em economia para milhares de famílias, principalmente as mais vulneráveis – afirmou Castro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos