Mercado abrirá em 3 h 52 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,05
    -0,47 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.723,30
    -7,20 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    20.144,98
    +233,62 (+1,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,20
    +10,76 (+2,42%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.009,45
    -77,01 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.553,00
    -87,75 (-0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Preço dos aluguéis em Nova York 'assustam' depois da pandemia

Protesto de locatários de Nova York em 2020, pedindo pela suspensão dos despejos durante a pandemia. Desde então aluguel cresceu em mais de 100% (STRF/STAR MAX/IPx)
Protesto de locatários de Nova York em 2020, pedindo pela suspensão dos despejos durante a pandemia. Desde então aluguel cresceu em mais de 100% (STRF/STAR MAX/IPx)
  • Poucos são aqueles que conseguem achar apartamentos que ainda cabem no orçamento;

  • Proprietários estão tentando ganhar o dinheiro perdido em aluguel durante o período da pandemia;

  • A maioria dos locatários se vê despejada de sua casa e obrigada a se afastar da comunidade em que vive.

Uma matéria do New York Times revelou um fato preocupante que vem ocorrendo ao redor do mundo: o aumento no preço dos aluguéis após a pandemia. A reportagem utilizou dados da plataforma de busca de imóveis StreetEasy, que notou um aumento de 100% ou mais no valor do aluguel em várias cidades americanas, como Nova York.

Quando a pandemia iniciou, em 2020, muitas pessoas de grandes centros urbanos voltaram para suas cidades originais, o que fez com que os proprietários baixassem o valor que cobravam dos inquilinos, de modo a evitar o esvaziamento dos imóveis.

Com isso, muitas pessoas aproveitaram para viver mais próxima do trabalho, da família ou da comunidade com a qual se identificam. Foi o caso de Cathy Linh Che, que se mudou para próximo de Chinatown, tradicional bairro de cultura asiática de Nova York. Antes ela demorava cerca de uma hora para ir até o bairro.

Durante as negociações com a imobiliária, Cathy foi assegurada de que o valor não aumentaria tanto nos próximos anos, algo cerca de 8%. Só que assim que o contrato expirou, seu proprietário a surpreendeu com um contrato de renovação com um aumento de 65%. “Fiquei com raiva. Eu me senti enganada”, disse.

Só que esses reajustes não estão sendo igualitários para todos. Inquilinos que alugaram durante a pandemia estão vendo esses pulos absurdos de preço, enquanto aqueles que já viviam no local antes da pandemia viram aumentos na taxa dos 10% a 20%, que ainda é grande quando comparada aos 3% dos reajustes controlados por autoridades municipais.

“Os proprietários estão basicamente tentando recuperar a renda perdida durante a pandemia e estão pedindo aumentos de aluguéis de forma intensa nas unidades que foram oferecidas durante esse período”, afirmou o economista da StreetEasy Kenny Lee.

Alguns locatários acabam conseguindo realocação em apartamentos menores próximos do antigo. Entretanto, para a maioria o fenômeno é sinônimo de expulsão e afastamento da comunidade em que vivem.