Mercado abrirá em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,47
    +0,46 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.795,60
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    16.826,75
    +56,56 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,23
    -6,80 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.476,39
    -12,80 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.518,50
    +9,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Preço do diesel deveria aumentar em R$ 0,62 pelas regras da Petrobras

Petrobras estaria querendo aumentar o valor do diesel, mas estaria sendo impedida pelo governo federal (Photo by Buda Mendes/Getty Images)
Petrobras estaria querendo aumentar o valor do diesel, mas estaria sendo impedida pelo governo federal (Photo by Buda Mendes/Getty Images)
  • Diesel: Governo quer manter o preço baixo em buscas de assegurar reeleição de Bolsonaro;

  • Política de preços da Petrobras vê paridade no custo interno dos produtos com o mercado internacional;

  • Barril de petróleo voltou a subir 2,43% nesta sexta (07) após tendência de queda mundial.

A Petrobras estaria querendo subir o preço do diesel em R$ 0,62 centavos, como forma de cumprir sua obrigação com os acionistas de manter a sua política de preços, o PPI (Preço em Paridade de Importação).

Atualmente o preço do combustível está defasado segundo os parâmetros internacionais, indicou a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis). O diesel, por exemplo, tem uma defasagem acumulada de 11%, enquanto a gasolina deveria aumentar em R$ 0,32.

No entanto, o governo federal está pressionando a estatal para que mantenha os preços baixos dos combustíveis em uma tentativa de assegurar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro. A equipe do presidente acredita que um aumento agora prejudicaria a popularidade do candidato à reeleição.

Para assegurar sua vontade, o governo federal estaria querendo realizar alterações no comando da Petrobras, trocando o diretor-executivo da estatal, Caio Paes de Andrade, e outros dois executivos, Rodrigo Araujo Alves, diretor de Finanças e Relacionamento com Investidores; e Cláudio Mastella, diretor de Comercialização e Logística. Os executivos da estatal estariam com medo de repercussões jurídicas por parte dos acionistas.

A política de preços da Petrobras, instituída no governo Temer, vem sendo alvo de críticas por especialistas e membros da sociedade civil. Durante o período da pandemia e da guerra na Ucrânia, que viram uma rápida ascensão no preço do dólar e do petróleo, a estatal realizou diversos aumentos no preço de revenda às distribuidoras. Com isso, a petroleira realizou seus maiores pagamentos de dividendos para os acionistas, com investidores estrangeiros recebendo a maior parte desse montante.

Nas últimas semanas o preço do barril de petróleo voltou a subir, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) decidir diminuir a produção de petróleo em dois milhões de barris diários. Só nesta sexta-feira (07), o preço do produto aumentou em 2,43% no mercado internacional.