Mercado abrirá em 5 h 19 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,99
    -0,77 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.800,70
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    23.846,65
    +66,22 (+0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,09
    +14,21 (+2,62%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.479,07
    -3,30 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.987,12
    -58,65 (-0,29%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.189,50
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2164
    +0,0070 (+0,13%)
     

Preço de medicamentos vendidos a hospitais cresce 1,32%

Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H) atestou que o preço dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreu um reajuste de 1,32% em junho (Getty Creative)
Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H) atestou que o preço dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreu um reajuste de 1,32% em junho (Getty Creative)
  • Porcentagem representa um valor acima da prévia do IPCA, de 0,67%, e do IGP-M, que foi de 0,59%

  • Fipe avalia que a evolução do índice caminhou mais ou menos em linha com o IPCA desde 2015 até o começo de 2020

  • Medicamentos usados em relação aos cuidados de pacientes com Covid-19 tiveram as maiores altas

O Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), indicador desenvolvido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em conjunto com a Bionexo, atestou que o preço dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreu um reajuste de 1,32% em junho.

A porcentagem representa um valor acima da prévia do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 0,67%, e do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que foi de 0,59%.

De acordo com reportagem da CNN Brasil, "as maiores elevações de preços em junho nos grupos de medicamentos considerados na composição da cesta do índice foram em sangue e órgãos hematopoiéticos (+8,74%); aparelho respiratório (+7,26%); aparelho geniturinário (+6,87%); aparelho digestivo e metabolismo (+3,05%); sistema nervoso (+2,63%); preparados hormonais (+1,24%) e aparelho cardiovascular (+0,07%)".

Já os grupos que registraram queda nos valores foram os seguintes: órgãos sensitivos (-2,09%); anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (-1,67%); imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (-0,85%); sistema musculoesquelético (-0,71%) e agentes antineoplásicos (-0,63%).

Consultado pela reportagem, Bruno Oliva, economista da Fipe, avalia que a evolução do índice caminhou mais ou menos em linha com o IPCA desde 2015 até o começo de 2020. No entanto, a chegada da pandemia da Covid-19, culminou em um pico de alta dos preços de medicamentos, justamente pelo aumento da demanda por medicamentos associados.

"Quando olhamos de forma desagregada, de fato foram exatamente os medicamentos usados em relação aos cuidados de pacientes com Covid-19 que tiveram as maiores altas. Com a diminuição dos casos, os preços caíram um pouco ao final de 2020, acompanhando a redução da pressão nos hospitais", afirmou à CNN Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos