Mercado abrirá em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    109.401,41
    -2.522,52 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,62
    +0,69 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.782,80
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    17.011,83
    -315,07 (-1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,67
    -9,54 (-2,32%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,80 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.396,79
    -121,50 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.798,25
    -7,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5276
    -0,0058 (-0,10%)
     

Preço de alimentos cresceu quase 30% no mundo em 2021

  • Preços não cresciam tanto assim há 10 anos

  • Aumento global foi devido a diversos fatores, como a crise energética e perdas de safras

  • Economistas da FAO não veem estabilização da cadeia produtiva alimentar nos próximos anos

A FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura), a agência global de alimentos da ONU (Organização das Nações Unidas) comunicou que os preços dos alimentos subiram 28% no mundo todo em 2021.

Esse é o maior aumento em 10 anos, disse a organização. Os dados foram revelados em um relatório neste início de ano pela organização.

A FAO afirmou que seu índice de preços, que acompanha a variação dos preços de compra e venda das commodities alimentares, teve uma média de 125,7 pontos em 2021.

Apesar da alta, o índice mostrou uma queda em dezembro.

Leia também:

Problemas nas próximas colheitas

O órgão também afirmou que as chances de retorno à estabilidade do mercado são pequenas. De acordo com ele, o aumento de custo gerou dúvidas quanto ao tamanho das colheitas futuras.

Questiona-se se os agricultores conseguiram investir o suficiente para normalizar o tamanho de suas plantações.

"Embora os preços normalmente altos devam dar lugar ao aumento da produção, o alto custo dos insumos, a pandemia global em curso e as condições climáticas cada vez mais incertas deixam pouco espaço para otimismo sobre um retorno a condições de mercado mais estáveis, mesmo em 2022", comunicou o economista sênior da FAO, Abdolreza Abbassian, em nota oficial.

As principais causas da elevação nos preços podem ser divididas em diversos fatores, como o aumento no preço dos fertilizantes, a elevação no custo da energia e a perda de safras devido a condições climáticas irregulares.

Por exemplo, o mercado de oleaginosas iniciou conturbado em 2022, devido a secas na América do Sul e a inundações na Malásia. Por outro lado, o preço dos derivados de leite também se mantiveram em alta, devido à baixa produção na Europa Ocidental e na Oceania.