Mercado abrirá em 7 h 51 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,00
    -1,66 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.800,50
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    59.031,09
    -1.705,27 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.414,84
    -59,49 (-4,03%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.553,90
    -74,84 (-0,29%)
     
  • NIKKEI

    28.826,90
    -271,34 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    15.615,50
    +28,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4263
    +0,0016 (+0,02%)
     

Preço da fome: carcaça de frango está 45% mais cara

·1 minuto de leitura
Meat at a grocery store in Toronto, Ontario, Canada on September 16, 2021. Canada's inflation rate reached 4.1% in August, highest since 2003 and as a result experts are predicting a big increase in grocery bills across Canada. (Photo by Creative Touch Imaging Ltd./NurPhoto via Getty Images)
67% dos brasileiros abandonaram o consumo de carne vermelha por conta dos preços

(Creative Touch Imaging Ltd./NurPhoto via Getty Images)

  • Cortes de carnes de segunda e terceira estão mais caros 

  • Segundo a Rede Mais Açougues, houve aumento de 100% nos preços das carnes de ossos

  • Dorso de frango está 60% mais caro

Famílias que recorreram aos cortes de carne de segunda e terceira estão tendo que desembolsar valores mais altos para comprar o alimento. Segundo a consultoria Safras e Mercados, houve um aumento de 45% na carcaça temperada de frango e de 60% no dorso em setembro, na comparação com o ano anterior.

Nos suínos, a maior alta foi observada no espinhaço (23,91%) e na orelha (20%). Os dados correspondem aos preços praticados em São Paulo, já que, conforme noticiado pelo G1, não há informações nacionais sobre os cortes.

Leia também:

Ainda assim, a Rede Mais Açougues, presente em 10 estados, aponta que as carnes de ossos - partes menos ou nada nobres - tiveram um aumento de 100% desde o começo da pandemia. O destaque vai para o pé de frango, cujo consumo aumentou 26%.

Ao portal, Diego Moscato, cofundador da Rede Mais Açougues, ainda revelou que caiu 22% a venda de carnes de primeira, como a maminha. Para ele, o consumo só continua por conta das classes A e B.

Alta nas carnes revela fome

De acordo com uma pesquisa divulgada em setembro pelo Datafolha, 67% dos brasileiros abandonaram o consumo de carne vermelha por conta dos preços.

Neste mês, o Procon-SC classificou como desumana a venda de ossos e aconselhou os estabelecimentos a realizarem doações. No Rio de Janeiro, um caminhão com restos de carne e ossos virou ponto de distribuição para moradores que têm fome.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos