Mercado fechará em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    108.493,73
    +1.826,07 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.719,91
    -512,29 (-0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,51
    +2,08 (+2,43%)
     
  • OURO

    1.841,70
    +29,30 (+1,62%)
     
  • BTC-USD

    42.233,25
    +632,18 (+1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,69
    +6,94 (+0,70%)
     
  • S&P500

    4.592,85
    +15,74 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.467,59
    +99,12 (+0,28%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.211,25
    +5,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2091
    -0,0980 (-1,55%)
     

Preço da cesta básica aumentou 15% só em dezembro; Rio tem a mais cara

·1 min de leitura
Preço da cesta básica aumentou 15% só em dezembro; Rio tem a mais cara
Preço da cesta básica aumentou 15% só em dezembro; Rio tem a mais cara.
  • Cesta básica em Brasília apresentou maior aumento entre novembro de dezembro, marcando uma alta de 14,9%;

  • Perda de safras e aumento dos custos são apontados pelo Ibre como responsáveis pela elevação dos preços;

  • Itens como arroz, carne bovina, feijão, leite e linguiça tiveram redução de preço.

O preço médio da cesta básica aumentou uma média de 15% no mês de dezembro, de acordo com uma pesquisa da Cesta de Consumo Horus/FGV Ibre.

A pesquisa é realizada mensalmente em oito cidades: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

De acordo com o levantamento, comparados os preços de novembro de 2021 e dezembro de 2021, os maiores aumentos foram registrados em Brasília (14,9%), Manaus (7,8%) e Fortaleza (6,8%).

Belo Horizonte foi a única cidade que apresentou retração no valor de sua cesta básica, com uma queda de 2,7%.

Leia também:

Em termos de preços absolutos, o Rio de Janeiro foi a cidade com a cesta básica mais cara (R$ 830,25), seguido por São Paulo (R$ 799,54) e Fortaleza (R$ 752,40).

As mais baratas dentre as pesquisas foram Belo Horizonte (R$ 527,93), Curitiba (R$ 664,09) e Manaus (R$ 675,63).

Dentre os itens que mais encareceram estão as frutas (medidas através do preço da banana, da maçã e da laranja), e o café em pó. Os legumes e o açúcar também apresentaram elevação no preço em sete das oito cidades.

Outros produtos, felizmente, apresentaram queda no preço. É o caso do arroz, da carne bovina, do leite UHT, do feijão e da linguiça.

Considerando o histórico de seis meses, é possível identificar o aumento sucessivo no preço do café, do açúcar, da margarina, do frango, dos legumes e das frutas.

Segundo o Ibre/FGV, o aumento pode ser explicado devido a problemas climáticos, que causam a perda de safras, e ao aumento nos custos de produção, de modo geral.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos