Mercado fechará em 4 h 40 min

Preço acessível? Comprar pelo 'Carnezinho Gostoso' do Magalu pode custar o dobro

Em julho, Luiza Trajano gravou um vídeo convidando consumidores para irem à lojas da rede Magalu e comprar pelo carnê do Magalu
Em julho, Luiza Trajano gravou um vídeo convidando consumidores para irem à lojas da rede Magalu e comprar pelo carnê do Magalu (Getty Creative)
  • Luiza Trajano convidou consumidores a irem a lojas da rede e comprar pelo carnê

  • Em 18 meses, uma geladeira que custa R$ 3.400, passa a valer R$ 6.800

  • Empresa contesta os números e diz que seus juros estão de acordo com o mercado

No mês passado, a empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, gravou um vídeo polêmico sugerindo que os consumidores fossem a uma das lojas da rede e comprassem pelo carnê.

“Vai ser no carnê. Lembra aquele ‘carnezinho gostoso’? Em prestações que você pode pagar e a gente ainda vai dar um descontinho nos juros. A gente aguarda vocês. Vá o mais rápido possível a uma de nossas lojas, por favor”, disse.

No entanto, uma checagem do UOL constatou que a compra pelo carnê, além de exigir uma entrada de mais de 30% do valor do produto, aplica juros que podem dobrar o valor da compra. A reportagem apurou que, em 18 meses, uma geladeira que custa R$ 3.400 passa a valer R$ 6.800.

Na época, Luiza afirmou que a ideia do carnê era facilitar as compras e ofereceu então crédito pré-aprovado para mais de 10 milhões de clientes. A campanha teve como alvo clientes da empresa que se adequam aos critérios de concessão de crédito pela própria companhia e pela financeira do grupo, a LuizaCred, parceria com o Itaú.

A empresa contestou os números do portal, diz que seus juros estão de acordo com o mercado e que o foco é o cartão de crédito, com taxas menores.

"Os valores apresentados nos exemplos citados não refletem a realidade dos juros de CDC [crédito direto ao consumidor, pelo carnê] do Magalu. O CDC é mais uma ferramenta de crédito usada por quem não tem acesso a cartões. Ele corresponde a apenas 6% das vendas em nossas lojas. Os juros cobrados estão em linha com o mercado. O foco no cartão de crédito na estratégia do Magalu também foi evidenciado em campanha recente de crédito pré-aprovado, na qual 80% dos clientes eram elegíveis aos cartões da empresa", afirmou em nota.

Críticos citaram um possível "desespero" de Trajano para tentar alavancar as vendas da Magalu, que vem enfrentando dificuldades, assim como todo o varejo brasileiro.