Mercado abrirá em 8 h 5 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,24
    +0,67 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.780,80
    -3,50 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    56.451,94
    -865,52 (-1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,97
    -37,12 (-2,53%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.707,15
    +48,23 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    27.793,88
    -141,74 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    15.939,50
    +69,75 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4176
    -0,0292 (-0,45%)
     

Preçoso petróleo avançam 1% com relatos de que Opep+ poderia reavaliar produção

·1 min de leitura
Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA.

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo subiram nesta segunda-feira, se recuperando das perdas recentes, diante de relatos de que a Opep+ poderia ajustar os planos para aumentar a produção de petróleo caso grandes países consumidores liberem petróleo de suas reservas ou se a pandemia de coronavírus diminuir a demanda.

Os futuros do petróleo Brent subiram 0,81 dólar, ou 1%, para fechar a 79,70 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,81 dólar, ou 1%, para fechar a 76,75 dólares o barril.

Os preços do petróleo Brent e WTI caíram mais de 1 dólar no início do pregão, atingindo a mínima desde 1º de outubro.

Autoridades japonesas e indianas estão trabalhando em maneiras de liberar as reservas nacionais de petróleo bruto em conjunto com os Estados Unidos e outras grandes economias para reduzir os preços, disseram à Reuters sete fontes governamentais com conhecimento dos planos.

As discussões ocorreram depois que o governo dos Estados Unidos não conseguiu persuadir a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, incluindo a Rússia, conhecida como Opep+, a bombear mais petróleo, com grandes produtores argumentando que o mundo não tinha falta de petróleo.

O grupo produtor concordou este mês em seguir os planos de aumentar a produção de petróleo em 400 mil barris por dia (bpd) a partir de dezembro.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin em Londres, Sonali Paul, Naveen Thukral e Florence Tan em Cingapura, Aaron Sheldrick em Tóquio)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos